Agora com motor flex e plataforma MQB, a sétima geração do sedã quer reconquistar o público pela ampla tecnologia embarcada e economia de combustível
Mais refinado, mais expressivo e com maior impressão de tamanho. Este foi o pedido do marketing da Volkswagen ao departamento de design para a sétima geração do sedã Jetta. As linhas mais limpas do modelo anterior foram deixadas de lado em favor de volumes mais esculpidos, especialmente no capô, para-choques e nas laterais. Vendo-o de perto, ele parece ligeiramente maior do que seus 4,70 m de comprimento (4,3 cm mais longo que o Jetta de sexta geração) e 1,80 m de largura (2,1 cm maior, sem espelhos).
O sedã chega ao Brasil importado do México em duas versões: Comfortline 250 TSI (R$ 109.990) e a esportiva R-Line 250 TSI (R$ 119.990), distinta visualmente pelos detalhes em preto como a grade frontal, retrovisores externos, revestimento interno do teto e os logos R-Line no volante e na grade. Esta versão de topo também traz de série painel digital, ajuste automático do farol alto, detector de fadiga e um belo conjunto de auxílios eletrônicos ao motorista, que inclui controle de velocidade de cruzeiro adaptativo e três tipos diferentes de assistências de frenagem: em alta velocidade, em trânsito urbano e manobras de estacionamento.
A lista de equipamentos de série para as duas versões engloba ainda seis airbags, controle de estabilidade e tração, bloqueio eletrônico do diferencial, ar-condicionado de duas zonas, faróis dianteiros e traseiros em LED, câmera de ré, sensores de estacionamento dianteiro e traseiro, freio de estacionamento eletromecânico, imobilizador em subidas, partida por botão e trancamento automático das portas, farol de neblina com conversão estática (ilumina na direção do esterço da curva em velocidade igual ou acima de 40 km/h) e assistente de partida em subida. Há apenas um opcional nas duas configurações: o teto solar panorâmico, por mais R$ 4.990. Outros itens como carregador de celular por indução (R$ 470) e sistema de som JBL são vendidos como acessórios em concessionária.

Em busca de equilíbrio visual
Curiosamente, agora que é construído sobre a plataforma MQB, o Jetta se diferencia em definitivo do Golf, hatch do qual foi a versão sedã entre a primeira e a quinta gerações. A nova identidade do sedã é caracterizada por uma grade dianteira bem mais ampla com a intenção de remeter ao Passat – mais nas aletas cromadas da versão Comfortline do que no visual “apagado” da R-Line. Mas em ambas as especificações, a semelhança nas linhas traseiras com o Virtus, especialmente na região do spoiler, dificilmente passará sem ser notada pelo público.
Os balanços da carroceria (distância longitudinal dos cubos de roda até as extremidades do veículo) também foram modificados. O balanço dianteiro foi encurtado em 1 cm e o traseiro, esticado em 1,6 cm. Essa alteração, apesar de pequena, permitiu perfil mais agradável nas proporções entre os três volumes do sedã e, como pretendido inicialmente, aumentou a sensação de tamanho do modelo. Porém, a escolha por pneus mais finos e com perfil mais alto (passaram de 225/45R17 para 205/50 com o mesmo raio) tira bastante da elegância do resultado final se comparado ao anterior.
Discreto e funcional como sempre
Apesar do aumento do entre-eixos em 3,7 cm decorrente da nova plataforma, boa parte das medidas do habitáculo se manteve. Houve ganho de 4 cm na altura do assento do motorista ao teto (de 91 para 96 cm). A ergonomia para quem dirige é muito boa, com os instrumentos bem à mão. O alinhamento da tela do multimídia Discover Media com o painel de instrumentos forma um conjunto de excelente visualização e facilidade de operação, digno de conceitos de “cockpit” adotados em outros veículos de alta gama, mas sem exagero estético.
Aliás, em todo o painel frontal, o pragmatismo das linhas retas da Volkswagen impera mais uma vez, só que desta vez com a qualidade de acabamento no mesmo nível dos melhores modelos deste segmento. Caso o motorista considere o ambiente muito sério, a sisudez pode ser quebrada pela iluminação interna configurável em 10 cores. Esse recurso pode estar atrelado ou não à seleção dos quatro perfis de condução (Normal, Sport, Eco e Individual), que modificam não só o comportamento da direção, transmissão e motor como também a iluminação ambiente e a cor dos instrumentos.
Mas, considerando o preço da versão R-Line, há uma perda irreparável: o ajuste do banco do motorista, que era elétrico na geração anterior e passou a ser apenas manual. Além disso, os passageiros do banco traseiro não desfrutam da mesma qualidade de acomodação quando se necessita levar três pessoas atrás. O túnel central é muito alto e prejudica bastante quem está sentado na posição central. Falta, ainda, a saída de ar para os bancos traseiros – que o Virtus, fabricado em versão encurtada da mesma plataforma, tem.

Perceba como o túnel central é alto o suficiente para “esconder” o pé do passageiro

Agora é flex (e muito econômico)
Tanto o Jetta Comfortline quanto o R-Line são dotados do mesmo câmbio automático de seis marchas, como virou padrão na VW. O motor 250 TSI em versão flex também é o mesmo: 1,4 litro de 4 cilindros, com turbo e injeção direta, capaz de atingir 150 cv de potência a 5.000 rpm e 25,5 kgfm de torque constante entre 1.400 e 3.500 rpm – números estes tanto com etanol quanto com gasolina.
Muitos sentirão saudade da sobra de força do motor 2.0 TSI a gasolina de 211 cv, que tornava o sedã um verdadeiro “sleeper”, mas o foco agora é outro. Em nossos testes, o consumo de etanol do Jetta R-Line, usando o modo Eco de condução, e com o sistema stop-start ligado, foi invejável: 8,4 km/l em percurso urbano e 12,1 km/l no rodoviário.
Entre os 10 sedãs médios flex automáticos mais vendidos do país, sua média PECO de 10,1 km/l não só é a melhor como a comparação com os demais é até covardia, seja com Citroën C4 Lounge THP (8,5 km/l), Honda Civic EXL (8,4 km/l), Chevrolet Cruze LTZ (8,2 km/l), Nissan Sentra 2.0 CVT (8,1 km/l), Toyota Corolla XEi (8,0 km/l) ou Ford Focus Fastback (7,8 km/l).
Em desempenho puro, não espere os números do antigo 2.0 turbo, mas houve sensível melhora em relação à versão 1.4 turbo somente a gasolina: na pista da ZF em Limeira/SP, o novo Jetta 1.4 TSI flex, no modo Sport de condução, acelerou de zero a 100 km/h em 8s93 (0s84 melhor) e na média das três provas de retomada, foi 1s2 mais rápido.
Esse trem de força é o mesmo que será adotado nos futuros modelos T-Cross, Polo GTS e Virtus GTS, que devem aparecer no Salão do Automóvel de São Paulo em novembro deste ano. Se em um modelo de 1.331 kg já atingiu tais números de performance e consumo, os adversários que se preparem para reagir rápido. O Jetta de sétima geração é o aviso.

FOTOS: RENAN SENRA
Confira o teste completo do Volkswagen Jetta R-Line na próxima edição de Outubro/2018 da Revista CARRO.
Ficha técnica – Volkswagen Jetta 250 TSI 2019
MOTOR
Combustível: Bi-combustível (Gasolina/Etanol)
Cilindrada (cm³): 1395
Diâmetro dos cilindros x curso dos pistões (mm): 74,5 x 80
N° de cilindros / disposição / válvulas por cilindro: 4 / Em linha / 4
Posição: Transversal à frente do eixo
Potência máxima: 150 cv a 5000 rpm
Torque máximo: 25,5 kgfm entre 1400 e 3500 rpm
Taxa de compressão: 10:1
Formação de mistura: Injeção Direta Multiponto
TRANSMISSÃO
Conjunto câmbio-diferencial: Automático, seis marchas à frente, conversor de torque
Rodas motrizes: Dianteiras
Relações de marchas
1ª – 4,459:1
2ª – 2,508:1
3ª – 1,556:1
4ª – 1,142:1
5ª – 0,851:1
6ª – 0,672:1
Ré – 3,185:1
Relação de diferencial dianteiro: 3,234:1
SUSPENSÃO
Dianteira: Suspensão independente tipo McPherson; Molas helicoidais; barra estabilizadora
Traseira: Suspensão semi-independente com braços longitudinais; Molas helicoidais
DIREÇÃO
Tipo: Eletroassistida
Diâmetro de giro do veículo: 11,2 m
Relação de direção (média): 14,96
Voltas no volante (batente a batente): 3,01
FREIOS
Programa eletrônico de estabilização com sistema de auxílio à direção (ESC) incluindo ABS + EBD com assistência de freio (BAS), ASR e EDS
Dianteiros: Disco ventilado, diâmetro de 288 mm
Traseiros: Disco, diâmetro de 272 mm
RODAS E PNEUS
Roda 7Jx17 com Pneu 205/55 R17
DIMENSÕES EXTERNAS
Comprimento: 4.702 mm
Largura (sem espelho retrovisor): 1.799 mm
Largura (com espelho retrovisor): 2.037 mm
Altura (teto): 1.474 mm
Distância entre eixos: 2.688 mm
Bitola (dianteira/traseira): 1540 mm / 1533 mm
AERODINÂMICA
Coeficiente aerodinâmico (Cw): 0,299
Área frontal: 2,21 m²
Cw x A: 0,661 m²
CAPACIDADES
Porta-malas: 510 litros
Tanque de Combustível: 50 litros
PESOS
Em ordem de marcha: 1.331 kg
Peso bruto total (PBT): 1.850 kg
Carga útil: 519 kg
Carga admissível sobre o eixo dianteiro: 960 kg
Carga admissível sobre o eixo traseiro: 940 kg
MANUTENÇÃO
Revisões, km/tempo: 10.000 km ou 1 ano (informação VW)
Troca de óleo do motor, km/tempo: 10.000 km ou 1 ano (informação VW)
Troca de óleo da transmissão, Km/tempo: Não é necessário, somente inspeção de nível nas revisões (informação VW)

Newsletter

Newsletter

Quer ficar por dentro das noticias da Revista Carro em primeira mão?

Receba grátis!

Obrigado!

Pin It on Pinterest

Share This