Sedã trocou o motor V6 3.5 por um 2.0 turbo de quatro cilindros que entrega 37,7 kgfm de torque e 256 cv de potência

Texto e fotos: André Schaun

Lançado oficialmente no Salão do Automóvel, em novembro, a décima geração do Honda Accord começou a ser vendido no próprio evento em versão única, a Touring, por 198.500. O novo modelo deixou para trás seu visual mais conservador e ganhou requintes de esportividade, visando bater de frente com marcas premium, como Mercedes e BMW.

Sua dianteira ganhou faróis mais estreitos e totalmente em LED, incluindo os auxiliares, o capô está bem vincado, a grade ficou enorme e seu desenho esportivo fica completo com a barra quase toda cromada, que divide o capô da grande, e que tem extensão de um farol até o outro. Sua traseira tem queda na coluna C, ao estilo cupê, e lanternas bumerangue, semelhante ao Civic. Tudo isso calçado por rodas de de 19 polegadas.

O novo Accord tem maior distância entre eixos (+ 54,86 mm), menor altura total (- 15 mm) e maior largura (+9,9mm), bitolas maiores (+5,1mm na frente, +20mm atrás), menor comprimento total (-9,9mm) e posicionamento de assentos mais baixo e esportivo (-25,4mm na frente e -20mm atrás). Já seu porta-malas possui 574 litros.

Sob o capô, o motor V6 3.5 deu lugar a um 2.0 turbo de quatro cilindros, capaz de entregar 37,7 kgfm de torque e 256 cv de potência, movido por um câmbio automático de 10 velocidades, visando economia e conforto, principalmente em estradas. O sedã é o primeiro carro da Honda com tração dianteira a contar com esse câmbio.

O novo Accord traz para o Brasil o inédito pacote de tecnologias de segurança e assistência ao condutor, o Honda SENSING, como equipamento de série. São eles: controle de cruzeiro adaptativo com ajuste de velocidade, sistema de frenagem para mitigação de colisão, sistema de assistência de faixa e o sistema para mitigação de evasão de pista. Controles eletrônicos de estabilidade e de tração e assistente de partida em rampa também estão presentes na décima geração do Accord.

Internamente, a nova geração também não deixa a desejar, contendo bastante couro, detalhes amadeirados e material suave ao toque no painel. O volante tem ótima empunhadura, reforçando ainda mais sua esportividade, por meio dele é possível realizar todos os comandos, tanto do computador de bordo, quanto da tela de oito polegadas sensível ao toque, que ainda possui botões físicos para as funções primordiais. O velocímetro continua analógico, mas o Head Up Display pode exibir velocidade digital e consumo. O sedã não possui alavanca de câmbio, os comandos são feitos por um seletor de marchas totalmente eletrônico, chamado de Shift-By-Wire, contendo dois modos de condução alternativos, Sport e Econ.

A arrancada do novo Accord impõe muito respeito, seu torque máximo de 37,7 kgfm já é alcançado com apenas 1.500 rpm, fazendo jus ao apelo esportivo. Em rodovia seu comportamento é ainda mais empolgante, chegando rapidamente em sua potência máxima a 6.500 rpm sem sentir nenhum tranco durante as suaves trocas de marcha, que podem ser feitas pelas borboletas. Algumas trocas parecem invisíveis, semelhante a um câmbio CVT. Com uma suspensão A acústica interna também é percebida imediatamente com o sistema de cancelamento de ruídos. São três microfones que fazem a captação dos sons de rolamento e enviam frequência sonora oposta para anular os ruídos.

Quando colocado no modo esportivo, o sistema de cancelamento de som sai de cena e o ronco do motor fica muito mais presente dentro da cabine, tendo interferência no motor e na direção, que fica mais firme.

O pacote SENSING tem ótimo funcionamento, e uma função curiosa é que quando o motorista da seta, o alerta de ponto cego é feito por meio de câmeras na central multimídia automaticamente, isso pode atrapalhar o motorista, por exemplo, quando estiver seguindo o GPS, que terá a imagem cortada para a câmera, até que a seta seja desligada. Porém, isso pode ser desativado no próprio botão na alavanca da seta, logo que ela for acionada.

São três cores externas disponíveis para compra: preta, prata e branca. O interior são três cores também, mas sua configuração é a seguinte: carro na preta pode ter interior cinza e preto, o da cor cinza só pode ter interior preto e o branco só pode ter o interior marfim.

Newsletter

Newsletter

Quer ficar por dentro das noticias da Revista Carro em primeira mão?

Receba grátis!

Obrigado!

Pin It on Pinterest

Share This