Plymouth Barracuda foi precursor da nomenclatura que dividiu uma era com os muscle cars

Os carros americanos das décadas de 60 e 70 sempre mexeram com o imaginário dos apaixonados por carros. O aspecto musculoso da carroceria gerou um apelido que virou marca registrada: os ‘muscle cars’. Entre os que mais se destacaram estão o Dodge Charger e o Chevrolet Chevelle SS 454, por exemplo.

Pioneiro

Mas eles geralmente eram muito caros e grandes, o que acabou gerando uma demanda por um veículo de mesmas características, mas mais acessível e menor. Foi quando a Plymouth – subdivisão da Chrysler destinada à produção de carros de custo baixo e que disputava mercado diretamente com os carros Chevrolet e Ford – apresentou no dia 1º de abril de 1964 (não, não foi mentira) o Barracuda, duas semanas antes da Ford apresentar o Mustang. A jogada foi proposital para desviar as atenções do público que aguardava ansiosamente a chegada do concorrente. O Barracuda inaugurava, então, uma nova paixão americana, a dos Pony Cars.

Anabolizado

O Plymouth Barracuda contou com versões insanas, como o AAR Cuda destinado a homologação para participar das provas da categoria Trans Am na época, versões com motores V6 e os tradicionais V8 340, 383, 440. O mais potente Barracuda já produzido vinha com o 426 HEMI de 425 cv de potência, tração traseira e câmbio manual de quatro marchas, que permitiam que ele cumprisse o 0-96 km/h (0-100 mph) em 5s8.

Figura rara por aqui

O modelo das fotos é um Plymouth Barracuda 1973. “Meu amigo comprou este carro no terceiro e último dia da feira de Daytona (EUA). Ele tinha ido para lá justamente para comprar um Barracuda, mas não havia encontrado. Quando ele já tinha desistido e quase estava fechando negócio por um Pontiac GTO conversível, ele viu um senhor e uma senhora de mais de 80 anos entrando com este carro na feira. Eles vieram dirigindo este carro da Georgia para lá, ou seja, rodaram mais de 1.000 km até o local para vendê-lo”, explicou Luciano Gomes Silva, que trabalha com compra e venda de veículos antigos e de coleção em São Paulo (SP).

Cerca de três anos após a chegada do carro no Brasil, Luciano fez uma proposta e comprou o Barracuda. “O carro veio pronto de lá. Só abasteci e andei até hoje. A única diferença dele para quando saiu dos Estados Unidos foram as novas rodas Magnum, que eram acessórios de época”, disse Luciano.

Este Barracuda tem o motor de 318 pol³ (que era o mais simples da gama) e câmbio automático torqueflite 727, o mesmo da linha Chrysler dos EUA. “O carro é muito bom de andar e tem mecânica bastante semelhante aos small block utilizados nos Dodge nacionais, a diferença é que estes americanos tem o cabeçote “mais taxado” e carburador Holley Bijet. Tudo isso deixa ele mais esperto”, explicou Luciano.

A cor das fotos também é rara. “A lemon twist era a única cor do catálogo da Chrysler que vinha com um asterisco, pois era mais cara do que as demais. Na verdade, este carro é muito raro no Brasil em qualquer cor. Acredito que tenha menos de 10 desses rodando por aqui”, finalizou Luciano.

Newsletter

Newsletter

Quer ficar por dentro das noticias da Revista Carro em primeira mão?

Receba grátis!

Obrigado!

Pin It on Pinterest

Share This