Nova versão R-Design do SUV híbrido Volvo XC90 alia desempenho de esportivo a consumo de hatch compacto

Texto: Gustavo de Sá

Foto: Renan Senra

Parece até um contrassenso a novidade da linha 2019 do Volvo XC90, vitrine tecnoló­gica da marca sueca, ser uma versão com apelo esportivo, a R-Design. Isso porque a empresa anunciou que, já a partir do ano que vem, limitará a velocidade máxima de todos seus zero-quilômetro a 180 km/h. A medida tem como objetivo cessar mortes ou ferimentos gra­ves dos ocupantes de veículos da marca a partir do ano-modelo 2021.

Medidas polêmicas à parte, o XC90 R-Design T8 chega por R$ 429.950 e aposta mesmo é na diferenciação visual para fisgar compradores de Velar e Discovery, da Land Rover, além de Q7 e X5, das alemãs Audi e BMW. O sueco traz para­-choques exclusivos, grade em preto brilhante e retrovisores na cor prata acetinado. As belas rodas de 22 polegadas (com pneus de medida 275/35R22) vêm de série no pacote vendido no Brasil – somente o conjunto opcional com os mesmos “sapatos” custa exatos R$ 21.920 na configuração Inscription.

Na cabine, os bancos têm revestimento que mistura couro liso e nobuck, volante com emble­ma da versão e apliques em fibra de carbono (ver­dadeira, nada de imitação) nas portas e no painel. Assim como nas demais variantes híbridas, estão lá a charmosa alavanca de câmbio eletrônica feita de cristal sueco da marca Orrefors e o sistema de som premium com 19 alto-falantes fornecido pela Bowers & Wilkins.

O XC90 R-Design traz o mesmo conjunto mecânico das configurações T8, que também é compartilhado com XC60 e S90. A combinação entre um 2.0 turbo a gasolina e outro motor elé­trico no eixo traseiro resulta em potência combi­nada de 413 cv e 65,2 kgfm de torque. O câmbio é automático de oito marchas e, exclusivamente nesta versão, traz opção de trocas sequenciais por meio de borboletas – nas demais variantes híbridas, é possível somente fazer reduções por meio da alavanca.

Ágil e frugal

Ao volante, o XC90 pode ir do silêncio e calmaria do modo de condução Pure (100% elétrico, com autonomia de até 40 km) até toda a esportividade da função Power, que entrega a melhor combi­nação de força do conjunto híbrido. O acelerador que pivota no assoalho é um charme que har­moniza perfeitamente com a proposta esportiva desta versão. Já os pneus de perfil baixíssimo deixam o rodar mais desconfortável em pisos ruins, mesmo com a ajuda da competente sus­pensão a ar.

Na pista, o XC90 R-Design levou apenas 5s9 na aceleração de zero a 100 km/h, exatamente o mesmo tempo registrado pela versão Inscription T8. Na retomada de 60 a 120 km/h, porém, a no­vidade conseguiu baixar 0s4, com 5s7 ao todo. O R-Design parou exato 1 metro depois ao estan­car completamente vindo a 100 km/h, com 38,7 m percorridos. A velocidade máxima é limitada eletronicamente a 230 km/h – aqui, vale ressaltar: a redução de 50 km/h em relação a este total va­lerá somente a partir da linha 2021.

A maior vantagem da versão híbrida do XC90 é aliar desempenho de esportivo a consumo de gasolina menor até que de muitos carros com­pactos. Na cidade, ele garantiu a excelente mé­dia de 18,2 km/l. Em ambiente rodoviário, foram 16,6 km/l. Belas marcas para um SUV que pesa o equivalente a três Renault Kwid (2.319 kg de mas­sa em ordem de marcha). Por meio do plugue ex­terno, é possível recarregar a bateria em até três horas em uma tomada aterrada de tensão 220 V e 16 A.

Pelo valor cobrado nesta versão, entretanto, o XC90 poderia oferecer alguns mimos extras, como ajuste elétrico do volante e carregamento de celulares por indução. Ao menos essas faltas são recompensadas com o robusto pacote de segurança do modelo, que integra, entre outros recursos, controle de cruzeiro adaptativo, as­sistente de direção com função semiautônoma (movimenta o volante em curvas a até 130 km/h), frenagem automática de emergência, alerta de colisão traseira com pré-tensionamento dos cin­tos dianteiros e monitoramento de pontos cegos com suporte ativo da direção.

Com a ajuda da nova versão, a Volvo espera saltar dos cerca de 800 XC90 vendidos em 2018 para mil unidades este ano. Se o XC90 R-Design for pouco para você, saiba que há ainda a exclu­sivíssima configuração Excellence, vendida sob encomenda por R$ 509.950 iniciais. Ela conta somente com 4 bancos individuais (todos com ajustes elétricos) e faz os ocupantes sentirem-se a bordo da primeira classe de um voo da Emira­tes. Exceto pela velocidade final, obviamente, já que o gigante Airbus A-380 é capaz de romper os 1.000 km/h quando em velocidade de cruzei­ro, coisa que nenhum carro de produção regular jamais conseguirá alcançar.

Veja a tabela de teste com os números de pista do Volvo XC90 R-Design T8:

 

Pin It on Pinterest

Share This