Texto: Fernando Lalli 

São José dos Pinhais (PR)

Em evento comemorativo dos 20 anos de inauguração do Complexo Ayrton Senna em São José dos Pinhais (PR), o presidente da Renault para a América Latina, Luis Fernando Pedrucci declarou que está tudo pronto na fábrica de Córdoba (Argentina) para produzir a picape Renault Alaskan – baseada na atual Nissan Frontier. Para definir o início da produção e a chegada da picape média ao mercado brasileiro, só falta uma coisa: o mercado argentino voltar a ficar estável.

A grave crise econômica que assola o país vizinho afetaria os custos de produção, o que influencia diretamente o preço de mercado da nova picape. “Por causa dessa turbulência na Argentina, ainda estamos ajustando a equação para adaptar a produção da Alaskan dentro de um modelo econômico de negócio viável”, afirmou Pedrucci.

Quem viu de perto a Renault Alaskan no Salão do Automóvel de São Paulo em novembro – no qual foi apresentada sem nenhum alarde – percebeu a grande semelhança com a Frontier, o que gerou a especulação de que as duas picapes não dividiriam as mesmas fatias de mercado e, por isso, a vinda do modelo da Renault ainda estaria por ser definida.

Mas o presidente da Renault revelou que não só as duas picapes vão conviver nos mesmos espaços de mercado como a Alaskan tem papel fundamental nos planos da Renault a curto prazo. A fabricante, que fechou novembro com 8,7% de market share, agora tem como meta atingir 10% do mercado brasileiro de automóveis até 2022. Segundo Pedrucci, a participação em segmentos onde a marca não está presente é primordial para chegar a esse percentual. E os dois principais segmentos nos quais a Renault ainda não atua no Brasil são o de picapes médias e o de SUVs médios – nicho desbravado pelo Jeep Compass e que está atraindo uma série de futuros concorrentes, como o Volkswagen Tarek e, ainda não confirmado, o Ford Territory.

Se nas picapes a marca está em compasso de espera com a Alaskan, a situação entre os SUVs ainda carece de definição. Pedrucci afirmou que a Renault vai ter sim um SUV “acima do Captur” no mercado brasileiro, mas ainda falta uma definição entre dois modelos. “Estamos entre trazer o Arkana (SUV de traseira fastback apresentado na Europa este ano) e um SUV inédito do segmento C”, declarou o presidente. “Esse modelo não deve chegar ao mercado entre os próximos 2 anos”, comentou. Pedrucci não citou o Koleos, SUV que chegou a ser anunciado e apresentado no Salão do Automóvel de São Paulo em 2016. 

 

Newsletter

Newsletter

Quer ficar por dentro das noticias da Revista Carro em primeira mão?

Receba grátis!

Obrigado!

Pin It on Pinterest

Share This