Carro básico: ninguém sabe, ninguém viu

Quem é pai sabe que um dos momentos mais duros da vida é quando seu filho cresce e é preciso revelar que certas figuras do imaginário infantil (não, não estamos falando dos “pôneis malditos”) simplesmente não existem. É o caso do Papai Noel, do Coelhinho da Páscoa, Saci-Pererê… Pois bem. É chegada a hora de revelarmos ao nosso leitor a dura realidade: o automóvel básico, pelado, naquele preço que os fabricantes geralmente anunciam por ocasião de seu lançamento, simplesmente não existe! 

“Sabe o que acontece? A gente sempre tem automóveis com algum opcional a mais. É o que chamamos de ‘opcional de entrada’”, defende uma vendedora de autorizada Chevrolet. Então tá… “No caso do Celta, dificilmente teremos no estoque um modelo sem calotas parafusadas ou sistema de ventilação forçada”, explica. Ou seja, aquele modelo que, na tabela, aparece como “preço de fábrica”, que sai por R$ 25.240, provavelmente não será encontrado na revenda. “Isso não é uma regra. Varia de acordo com a concessionária. Eu diria que em 90% delas você encontra o carro ao preço básico”, diz, exalando otimismo, outro vendedor de uma concessionária Fiat.

Detalhe: embora a reportagem do Carro Online tenha se identificado, nenhum profissional de vendas concordou em ter seu nome revelado. Todos argumentaram que, para dar entrevista, precisariam de autorização de suas chefias –que certamente controlariam o que eles estariam dizendo. “Não é questão de que tentamos empurrar o que é mais caro. Claro que nosso trabalho é vender. Mas é que não vale a pena, para a fábrica, produzir um carro totalmente ‘pelado’ hoje em dia, em que há tanta facilidade de financiamento e o valor dos opcionais acaba sendo diluído nas parcelas. Por isso é que a gente costuma dizer: o carro básico existe”, resume o vendedor de uma concessionária Volkswagen.

O carro "pelado" existe... só na fábrica

Preço chamariz? Descubra o motivo

Você viu um carro anunciado por um valor, foi à concessionária e constatou que aquela campanha não passava de um chamariz? Ou seja, o carro não existe. Antes de procurar o Procon, saiba que não houve relação de consumo. Portanto, o órgão ainda não pode agir. Mas o próprio anúncio serve como prova de que a autorizada estava oferecendo um veículo com aquelas especificações e naquele valor. Provavelmente, os vendedores alegarão que os automóveis nas condições anunciadas simplesmente acabaram.

O que fazer? Se foi uma promoção para liquidar o estoque, nada. Se foi para desovar modelos “pés-de-boi” que eles tinham por lá, é possível encomendar um modelo igual de fábrica. Vai demorar, mas chegará. Caso você constate que houve má-fé, ou seja, foi divulgado um preço mais baixo apenas para atrair o cliente, a melhor das punições dispensa órgão de defesa do consumidor ou qualquer outra sanção: simplesmente não ponha mais os pés nessa loja.

Um simples friso lateral faz o preço aumentar

Um Volkswagen Gol G5 básico custa R$ 30.220, mas dificilmente será encontrado a esse valor. Qualquer pintura metálica já significa um acréscimo de R$ 1.031 ao preço final. Você já viu um carro sem ar quente? Pois é. Ele custa, no exemplo do Gol, R$ 460. Um simples friso lateral acrescenta R$ 80 ao preço. Só a preparação para som custa R$ 210. Dificilmente a concessionár terá um automóvel tão simples, sem nada do que foi mencionado. Seria preciso encomendá-lo e aí a espera, na melhor das hipóteses, é de 40 dias. 

Os vendedores afirmaram que "ainda se vende muitos carros sem ar-condicionado"

“Ainda se vende muito carro sem ar-condicionado”

A facilidade em financiar um automóvel tem aumentado a venda de veículos mais equipados, com ar-condicionado, direção hidráulica, vidros, travas e retrovisores elétricos, ou mesmo itens antes negligenciados, como freios com ABS e airbags.

“Mas ainda se vendem muitos carros sem ar-condicionado”, disseram três dos vendedores com quem conversamos. Vale ressaltar que, muitas vezes, os preços anunciados não valem no caso de veículos mais baratos (na faixa entre R$ 24.000 e R$ 31.000) por um motivo muito simples: esses automóveis podem vir sem esses opcionais.

No caso de carros mais caros e vendidos com um pacote fechado de equipamentos, caso do JAC J3, anunciado por R$ 35.990, aí sim é possível praticar esse preço, pois ele vem da China já com ar-condicionado. Não existe a opção de comprá-lo sem o item. A mesma regra vale para outros veículos mais caros. Modelos médios da Fiat (Bravo), Volkswagen (Golf) e Ford (Focus) não têm a opção “sem ar-condicionado nem direção assistida”. 

Pin It on Pinterest

Share This