As duas principais montadoras chinesas com operações no Brasil chegam juntas, na próxima semana, a um ponto de inflexão crucial em suas trajetórias. Na terça-feira (14), a JAC Motors, que desembarcou no país com o maior estardalhaço entre todas, apresenta à imprensa o SUV médio T6; no mesmo dia, a Chery oferece à crítica um test-drive do Celer, primeiro carro produzido na fábrica da empresa em Jacareí (SP).

JAC e Chery acabam de completar três anos seguidos fora da lista dos 50 modelos mais emplacados no Brasil em um primeiro trimestre, segundo dados da Fenabrave (associação dos distribuidores). É isso mesmo: no acumulado de vendas de carros novos até o final de março, nenhum modelo das duas chinesas aparece entre a meia centena mais popular. Em 2012, Chery QQ e JAC J3 ocupavam, respectivamente, 49º e 50º lugares nessa lista.
 

Chery Celer renovado tem lançamento mantido apesar de greve na fábrica
A situação é incômoda para a Chery, que enfrenta uma greve por tempo indeterminado (até o final da tarde de sexta-feira, 10, a paralisação estava mantida) antes mesmo de começar a distribuir o Celer. O Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos (da central Conlutas) quer, entre outras coisas, a adesão dos funcionários à convenção coletiva dos trabalhadores da região — na General Motors, por exemplo, e sempre segundo o sindicato, o salário inicial de montador é quase o triplo dos R$ 1.200 oferecidos pela Chery.

A montadora se defende dizendo que não é possível ser comparada à GM. A diferença de porte das montadoras justificaria, também, a diferença na remuneração.

Na unidade de Jacareí, que tem capacidade para 25 mil carros por ano/por turno, já estão sendo feitos (em ritmo reduzido) Celer hatch e sedã desde agosto do ano passado, renovados em relação ao modelo que ainda está anunciado no site da Chery por R$ 36.990 e R$ 37.990.

No futuro, será produzido ali o QQ nacional e um SUV — que pode, ou não, ser baseado no Tiggo 5, variação maior do modelo já importado para o Brasil.

Luís Curi, vice-presidente da Chery, já sinalizou o desejo de deter uma fatia de mercado de 3% no médio prazo (talvez 2018). No momento, porém, a chinesa possui 0,29% de participação, com 1.851 carros de passeio e utilitário leves emplacados até o final de março. A conta é simples: precisará multiplicar a si mesma por dez para chegar à meta.
 

Site da Chery faz contagem regressiva para o lançamento do Celer, dia 14
Quanto ao Celer e seu significado para a Chery, um porta-voz da empresa afirmou a CARRO ONLINE: “O lançamento marca nossa nova fase no Brasil. Mesmo enfrentando diversas dificuldades para implementar a fábrica e com a crise no setor automotivo, mantivemos os planos e apresentamos nosso primeiro modelo fabricado aqui”. Segundo o porta-voz, “a Chery acredita na recuperação do mercado brasileiro”.

NO SERENO
O caso da JAC é, talvez, mais complicado — e bastante emblemático das idas e vindas da indústria, do governo e do capital brasileiros. A fábrica da chinesa, na cidade baiana de Camaçari, foi prometida inicialmente para 2014; talvez fique pronta em 2016.

De um início estrondoso em 2010, com inauguração simultânea de revendas e o apresentador Faustão como garoto-propaganda, a JAC se viu abatida em pleno voo pela nova tarifação sobre carros importados, estabelecida em 2012 juntamente com o Inovar-Auto (novo regime automotivo). Hoje, está uma posição atrás da Chery no ranking de emplacamentos: 1.613 unidades até o final de março, que correspondem a 0,25% do mercado.

Sérgio Habib, presidente da JAC no Brasil, outrora eleitor declarado de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, além de amigo de Jaques Wagner, ex-governador petista da Bahia (atual ministro da Defesa), acabou ficando no sereno ao longo dos dois últimos anos. Pior: viu um concorrente de fama duvidosa, a Lifan, tornar-se a dona do modelo chinês mais vendido no Brasil: o SUV X60.
 

Porte de médio, preço de compacto: é esse o apelo do JAC T6
Agora, redobra a aposta no T6, que tem porte e equipamentos de Hyundai ix35 e preço (R$ 71.990) de Ford EcoSport. “O modelo estreia num momento especial, em que todo o mercado volta as atenções ao segmento de SUVs”, explicou Habib a CARRO ONLINE. “A proposta dele é ótima, pois é um carro de porte médio com preço de compacto, e por isso a tendência é que vá bem nas vendas”.

(É mais ou menos a mesma lógica do sucesso do X60, diga-se.)

A JAC continuará importando uma ampla gama de modelos: J2, J3, J3 Turin, J5, J6, T6 e a van executiva T8. Ela pode usar uma cota de importação baseada em 20% da capacidade da futura fábrica, o que garante a manutenção nas lojas de J2 e os J3. Modelos maiores e mais caros, como o sedã médio J5 e a minivan J6, serão os mais impactados pela prioridade que será quase certamente dada ao T6.

Newsletter

Newsletter

Quer ficar por dentro das noticias da Revista Carro em primeira mão?

Receba grátis!

Obrigado!

Pin It on Pinterest

Share This