A Thunderbird Commander vem ocupar um espaço até então inexplorado pela marca no Brasil

A Thunderbird foi apresentada mundialmente em 2009, mas só chegou por aqui em novembro de 2012 quando a subsidiária brasileira começou a atuar. No ano passado, a marca britânica aproveitou o Salão de Milão para apresentar a Commander, uma versão de visual mais clássico em relação à conhecida Storm, e é justamente ela que acaba de desembarcar também no Brasil.

O estilo da Commander concilia, com absoluto equilíbrio, a imagem robusta e agressiva esperada de uma cruiser com o requinte e a elegância de uma legítima inglesa

A ordem recebida pelos engenheiros ingleses era desenvolver uma moto mais confortável, mas sem sacrificar em absoluto a agilidade, performance e prazer ao pilotar que fizeram a fama da Storm. E assim nasceu a Commander. Contudo, não pense você que esta nova integrante da família Thunderbird é simplesmente uma Storm com mais cromados, novas rodas e assento.

Ela tem mais cromados que a Storm, mas está longe de ser careta

Capricho britânico
A primeira parte da tarefa dada aos técnicos ingleses não tinha muitos segredos, e assim, para conseguir o desejado incremento em conforto, colocaram um novo assento, pedaleiras mais avançadas e 14 mm a mais de curso na suspensão traseira. Simples, não acha? Nem tanto.

Identidade visual da marca, a dupla de faróis também ajuda na esportividade implícita

O novo banco (que possui o dobro da espessura de espuma do que o utilizado na versão Storm) exigou, simplesmente, um novo chassi. Foi o único jeito de acomodar o novo assento e manter a altura em relação ao solo. A razão de tanto rigor e capricho são mais facilmente compreendidos quando pilotamos a Commader, já que a moto, apesar das mudanças em geometria, ergonomia e posição de pilotagem, manteve imaculada a sua impecável dinâmica e, principalmente, o enorme prazer ao pilotar que proporciona.

As suspensões  são excelentes  para o padrão  da categoria. O ABS é de série

Além das alterações no chassi, mudou também a roda dianteira, que é de 17” e calça um pneu de 150 mm (19” com pneu de 120 mm na Storm). Ainda que durante o test-ride tenhamos enfrentado poucas curvas, ficou nítido que foi preservada a capacidade de superá-las com segurança e em velocidades acima do que é “padrão” para as motos custom e suas pedaleiras baixas.

O desempenho não ficou em segundo plano, e nem poderia, com um linear bicilíndrico de mais de 90 cv empurrando  o modelo

As suspensões também estão de acordo com a performance, com grossas bengalas Showa de 47 mm na dianteira e uma dupla de amortecedores, da mesma marca, atrás. Com mais curso na traseira, foi possível deixar a calibragem sensivelmente mais macia do que na Storm, e isso é mais um fator que contribui para o destacado conforto da moto. Arrematando uma ciclística impecável, freios dignos de superesportiva. São dois discos na frente e um atrás, todos de 310 mm. Os dianteiros são mordidos por pinças Nissin de quatro pistões, enquanto os traseiros ficam a cargo de uma pinça Brembo de dois pistões. O ABS, evidentemente, é um item de série.

O assento é generoso nas dimensões e em quantidade e qualidade da espuma

Tamanho é documento
Complementa tudo isso um motorzaço, o maior bicilíndrico em linha do mundo, com arrefecimento líquido e que surpreende pela suavidade, comportamento linear e performance que proporciona. São mais de 90 cv e 15 kgf.m de torque que chegam bem cedo e que fazem a Commander acelerar e retomar velocidade com incrível rapidez. E olha que estamos falando de uma motocicleta com quase 350 kg. O grande “porém” desta nova Thunderbird não tem nada a ver com qualidade, ineficiência técnica ou algo do tipo. É simplesmente uma questão de tamanho.

Ainda que esteja longe de ser um transatlântico como a outra cruiser da marca, a Rocket III, a Commander é uma moto muito grande, pesada e que exige alguma experiência na pilotagem. O guidão tem quase 1 metro de largura e esterça pouco, ou seja, não se dá bem no trânsito urbano. Se andar na cidade for realmente indispensável, encha-se de paciência e distraia-se admirando o acabamento impecável, curta o delicioso som do escape de aço inox… E vá para uma estrada o mais rápido que puder!

A Commander é uma moto feita sob medida para boas estradas. Na cidade, o peso e a largura atrapalham

Uma moto sem rivais
Por ser um modelo importado, a marca não espera grandes volumes de comercialização. A estimativa de vendas gira em torno de 120 a 150 unidades ao ano, sendo metade de Commander e metade de Storm. A nova custom inglesa já está disponível nas 12 concessionárias da marca, pode ser encontrada nas cores preta ou vermelha e custa R$ 53 900.

A Triumph confirmou que não trará para o Brasil a versão LT, uma “touring light” de visual ainda mais clássico (com direito até a pneus faixa branca). Contudo, adquirindo os acessórios disponibilizados pela marca será possível deixar a “nossa” Commander quase como uma LT… Mas não sai barato. O conjunto de malas laterais sai por R$ 4 125, o para-brisa custa mais R$ 3 300, e o banco “conforto” demanda outros R$ 1 386. Vai uma capa de couro no tanque? É só desembolsar R$ 459.

Considerando o conjunto estilo/mecânica/performance, podemos afirmar que é uma moto sem concorrentes no mercado nacional. Ponto para a Triumph, que em menos de dois anos de Brasil já oferece uma opção em um nicho ignorado pelas gigantes japonesas, que possuem a suas “Commanders” lá fora. 

Cilindrada    1 699 cm³ 
Potência    93,8 cv a 5 400 rpm 
Torque    15,4 kgf.m a 3 500 rpm 
Diâmetro x curso do pistão    107,1 mm x 94,3 mm 
Taxa de compressão    Não disponível 
Quadro    Berço duplo de aço
Cáster    30,1° 
Trail    135,3 mm 
Suspensão dianteira    Garfo telescópico de 47 mm, com 120 mm de curso, sem regulagem 
Suspensão traseira     Duplo amortecedor, com curso de 109 mm, com ajuste de pré-carga da mola 
Freio dianteiro     Dois discos de 310 mm, pinças de 4 pistões (ABS) 
Freio traseiro     Disco de 310 mm, pinça com 2 pistões (ABS) 
Modelo do pneu     Pirelli Scorpion Trail 
Roda dianteira     140/75 – 17″. 3,5″ 
Roda traseira     200/50 – 17″. 6,0″

Medidas 
Comprimento • 2 442 mm; Largura • 990 mm; Altura do assento • 700 mm; Entre-eixos • 1 665 mm; Tanque • 21,7 litros; Peso cheio • 348 kg.

Newsletter

Newsletter

Quer ficar por dentro das noticias da Revista Carro em primeira mão?

Receba grátis!

Obrigado!

Pin It on Pinterest

Share This