Kwid marca a volta da Renault ao segmento de entrada e promete se tornar a escolha de quem precisa de economia e agilidade nas grandes cidades

Ouvimos clientes, mecânicos e o testamos na pista
Sorrisos por toda parte. Nenhuma ruga de preocupação na testa. Na avant-première promovida às revistas especializadas em julho, os executivos da Renault não conseguiam disfarçar o entusiasmo com o Kwid. Ninguém quis arriscar uma projeção de vendas ou emplacamentos, mas diz muito o fato da unidade da Renault em São José dos Pinhais/PR anunciar a abertura do 3º turno de produção e a contratação de mais de 600 funcionários. Fica claro que a fabricante se preparou para suprir uma alta demanda pelo subcompacto, que chegou às concessionárias em agosto.

O Kwid abriu os olhos de todos graças ao seu desenho que remete a um “mini SUV” e os preços da pré-venda – entre R$ 29.990 na versão básica Life, com direção mecânica, e R$ 39.990 na versão Intense, com sistema multimídia MediaNav. A Renault espera que 60% das vendas sejam da intermediária Zen, que custa R$ 35.390 e inclui 2 airbags laterais além dos obrigatórios frontais, direção com assistência elétrica, ar-condicionado, sensor de estacionamento, rádio com USB e bluetooth, trava elétrica e vidros dianteiros elétricos. Nós testamos essa versão e o resultado você lê a seguir.

“ALTINHO”: Visual agradou em cheio ao públco, bem como a posição de dirigir. Mas colunas “C” são grossas e atrapalham a visibilidade traseira

Peso-pena
Aquele conceito de “carro popular” com motor 1.0, que surgiu nos anos 90, não existe mais. Na época, o termo pressupunha um veículo quase depenado de tão básico. Com o tempo, ganhou equipamentos, potência e medidas internas e externas ao acompanhar a exigência do consumidor. Contudo, ficou mais caro. Exceto pelo Chery QQ e a versão mais básica do Fiat Mobi, hoje não há outros carros zero-quilômetro à venda no Brasil por menos de R$ 35 mil.

De certo modo, o Renault Kwid consolida a volta dessa fatia de mercado ao oferecer um pacote honesto para quem precisa se deslocar pela cidade com agilidade e quer gastar o mínimo possível nos postos de combustível. Construído sobre a nova plataforma CMFA da Aliança Renault-Nissan, que dará origem a pelo menos  seis carros, o subcompacto de 3,68 metros de comprimento passou por pelo menos 35 crash-tests e mais de 1 milhão de quilômetros de rodagem em diversas condições durante os três anos de seu desenvolvimento.

BÁSICO: Painel na versão Zen não tem conta-giros, mas recebe econômetro e indicador de mudança de marchas

Originalmente concebido para o mercado indiano, a Renault garantiu que o modelo brasileiro não tem nada a ver com o asiático. Sim, o Kwid nacional tem componentes vindos de fornecedores da Índia, mas tem 70% de suas peças fabricadas em países do Mercosul. Além disso, o projeto foi modificado em 80% para atender ao nosso mercado. Isso inclui reforços na carroceria, tratamento acústico e eixos dianteiro e traseiro mais robustos, visando melhoria de estabilidade. O resultado é um carro de 780 kg, ainda muito leve, só que 120 kg mais pesado que o original. 

Interior é espaçoso para o seu tamanho...

... mas o acabamento é bem espartano.

Tudo neste modelo é claramente focado no custo de produção (o que ajuda no preço final) e baixo peso do veículo (o que auxilia no consumo de combustível). Até o motor SCe 1.0 de três cilindros passou por um regime para equipar o Kwid. Ao contrário do que se acreditava, não é o mesmo que equipa a linha Sandero/Logan. É uma derivação simplificada (código BR10LS), cuja mudança mais significativa está no cabeçote, que não possui comando variável de válvulas. Entre outras alterações, o circuito de lubrificação também foi modificado. Com isso, perdeu força. Desenvolve agora 66 (G)/70 (E) cv de potência e 9,4 (G)/9,8 (E) kgfm de torque. Entretanto, a relação peso-potência de 11,2 kg/cv no etanol é a mesma do Volkswagen up! aspirado – modelo igualmente projetado sob medida para ser um subcompacto.

SOLUÇÕES BARATAS Motor 1.0 é econômico. Reservatório de partida a frio é conjugado com o do lavador de para-brisa (FOTO ABAIXO)

Bom na cidade
Durante os 1.000 km que a reportagem da Revista CARRO rodou com o Kwid, deu para perceber que a Renault trabalhou para atender ao gosto do motorista brasileiro. Para quem está acostumado a compactos de entrada com suspensão dura, ele é bem mais confortável que a média ao passar sobre imperfeições do piso.

Os sistemas de suspensão em si são comuns: McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira. Para compensar a ausência da barra estabilizadora, os amortecedores dianteiros ganharam mola contractiva montada dentro dos tubos (outros modelos 1.0 possuem o mesmo recurso).

A altura elevada do solo e os ângulos de ataque e saída ajudam bastante a vencer situações de manobras de estacionamento dificultadas por possíveis guias e rampas. Moradores de grandes cidades agradecem. Infelizmente, as colunas “C” muito largas prejudicam a visibilidade traseira.

A assistência elétrica na direção e os pneus finos (medida 165/70 R14) deixam o esterço do volante leve na medida certa. Combinado ao torque do motor se fazendo presente em baixas rotações, isso deixa o subcompacto bem esperto na hora de driblar o trânsito. O câmbio manual de 5 marchas, projetado exclusivamente para o uso no Kwid, tem engates fáceis e está bem escalonado para o motor.

LEVE DEMAIS: Na pista, o Kwid foi rápido, mas em rodovia ele sofre com a turbulência

A boa impressão se refletiu na pista de testes. Não é o campeão da economia de combustível, mas conseguiu média muito boa de 10,9 km/l no consumo de etanol: fez 9,9 km/l na cidade e 12,2 km/l em rodovia. Em aceleração de 0 a 100 km/h, atingiu 12s34, mais de um segundo mais rápido que os dois concorrentes de mercado eleitos pela Renault: o Mobi com motor Firefly de 3 cilindros e o take up! aspirado. Igualmente, os superou nas três medições de retomada de velocidade por mais de um segundo.

Porém, em autoestradas, o Kwid denuncia que seu habitat natural é mesmo o perímetro urbano. Acima de 100 km/h, carregando mais pessoas além do motorista e com o ar-condicionado ligado, o subcompacto perde muito fôlego. Há também sensível piora no comportamento dinâmico. Em velocidades maiores, a ação da turbulência do ar provocada pelo fluxo de carros e caminhões afeta sua estabilidade direcional. Aqui, alguns trunfos que o fazem tão legal na cidade – grande curso da suspensão, a área de contato reduzida dos pneus com o piso e o baixo peso do veículo – se tornam vilões.

Segundo o Inmetro, ele é um SUV subcompacto

A Renault jura que o Kwid foi pensado desde o início para ser um pequeno SUV. Pelo menos, de acordo com os parâmetros de classificação do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular, o modelo se encaixa na classificação de um “utilitário esportivo subcompacto”. A homologação do Inmetro determina que para ser chamado de “SUV” um veículo deve ter pelo menos 22° de ângulo de entrada (o Kwid tem 24°), 19° de ângulo de saída (tem 40°) e distância de 180 mm do solo (exatamente a medida do Kwid). Assim, existe uma justificativa técnica, mesmo que questionável, para a fabricante o chamar de “SUV dos compactos”.

MECÂNICOS: Sandro dos Santos (esq. acima), Edson Roberto de Ávila (esq. abaixo) e Alberto Martinucci Jr (dir.)

Aprovado pelos mecânicos, mas…
Como se trata de um projeto totalmente novo no Brasil, levamos o Renault Kwid a três mecânicos experientes da Grande São Paulo para saber qual a primeira impressão deles acerca do modelo. Um deles foi Sandro dos Santos, sócio-proprietário da Dr. American Car, na Zona Norte de São Paulo/SP. Especialista nas linhas Dodge e Chrysler, surpreendentemente, elogiou o desenho do subcompacto: “tem uma frente robusta, passa mais sensação de segurança que o Mobi e o up!”.

O espaço amplo para a manutenção no cofre do motor foi elogiado, mas Sandro se impressionou com o quanto são pequenas as peças mecânicas de direção, suspensão e transmissão. “A manutenção desse carro vai ser muito rápida e fácil. Passa a impressão de ser frágil, mas vamos ver no dia a dia. Pode nos surpreender”, declara Sandro.

A mesma impressão teve Alberto Martinucci Junior da oficina Motorfest, na Zona Sul da capital paulista, que achou o Kwid “muito divertido” pela facilidade de trabalho e o tamanho diminuto das peças, que o fez lembrar de antigos modelos nacionais. Especialista nas marcas francesas, ao fim, Alberto gostou do projeto racional e acessível do Kwid. “Para andar na cidade, eu compraria. Como mecânico, a impressão é de fragilidade e fácil manutenção. Acho que vão manter o custo de peças proporcional ao valor do carro”, disse.

FREIOS: Mecânicos estranharam o “vão” entre pastilha e êmbolo da pinça; Kwid foi muito mal no teste de frenagem

No entanto, Edson Roberto de Ávila, que comanda a oficina Mingau Automobilística na cidade de Suzano/SP, notou dois problemas importantes no Kwid. O primeiro é a troca dos pneus. Ele explica que o problema não são os três parafusos (“tive oito Corcéis e nunca caiu uma roda”, contou Alberto da Motorfest), mas sim sua função. O estepe conta com um guia de montagem avulso, porém, no contato entre a roda e o cubo, não há chanfros ou guias de referência para a centralização. O único elemento que faz essa função é a flange dos próprios parafusos. “É difícil alinhar corretamente a fixação do pneu. Imagina numa situação de emergência. Isso é perigoso”, advertiu. 

ESTEPE: Três parafusos não são o problema: faz falta o elemento para alinhar cubo e roda. Só o pino-guia que vem junto ao estepe não é suficiente

A outra preocupação de Mingau está na construção dos freios dianteiros. O êmbolo da pinça de acionamento não tem contato total com a pastilha interna, deixando uma espécie de vão entre as peças. A aparência do projeto em si não é determinante para dizer se o sistema é bom ou não, mas o fato é que o Kwid foi mal durante o teste de fading de frenagem da Revista CARRO. Na série de dez frenagens de 100 a 0 km/h, a diferença entre a distância da primeira (42,04 m) e da décima medição (52,24 m) chegou a alarmantes 10 metros. Para efeito de comparação, o novo Renault Sandero 1.0, testado sob as mesmas condições, foi até melhor na última frenagem (40,74 m) do que na inicial (40,94 m).

A impressão do público
Para colher uma amostra da aceitação do Kwid pelo mercado, pedimos a três pessoas que o avaliassem como se estivessem em uma concessionária. Nossa escolha seguiu o perfil de potenciais compradores conforme o esperado pela Renault: 80% de pessoas entre 36 e 50 anos, de classe C, com família e filhos, e 20% de jovens entre 18 e 34 anos em busca do primeiro carro. Todos moram em São Paulo/SP.

Raíssa Jorgenfelth (esq. acima), Adriana Oliveira Dias (esq. abaixo) e Marcos Chiavelli Puga (dir.)

O taxista Marcos Chiavelli Puga, de 41 anos, é casado e tem uma filha. Dono de um Logan 1.0 com mais de 350 mil km rodados, achou baixo o caimento do teto do Kwid no banco traseiro, mas gostou do espaço para as pernas. Também elogiou a posição de dirigir, mas com ressalvas. “A coluna B é saltada, bate no cotovelo e atrapalha um pouco”, apontou. Exceto por esse ponto, aprovou o subcompacto, inclusive para trabalhar. “Com certeza eu compraria o Kwid para fazer táxi”, cravou.

A estagiária de Jornalismo da Revista CARRO, Raíssa Jorgenfelth, 22 anos, dirigiu o Kwid e sentiu falta do conta-giros. “Não tinha por que economizar nisso”, opina. Ela dá pontos positivos para o grande porta-luvas e para a suspensão. “Achei confortável. Você não sente tanto quando passa pelos calombos no asfalto”. Ela teve má experiência como proprietária de um Sandero 1.6, mas mesmo assim consideraria a compra de um Kwid pelo preço que oferece.

Pneus 165/70 aro 14 foram feitos para a cidade

Já a coordenadora de crédito imobiliário Adriana Oliveira Dias, 37 anos e dois filhos, abriu a porta traseira do Kwid logo de cara e gostou do espaço. “É a primeira coisa que uma mãe observa”, sorriu, elogiando também o porta-malas de 290 litros. Seu último carro foi um Honda Fit 1.4. Sobre o Kwid, perguntou se era econômico e, com a confirmação, afirmou que compraria. “É um carro compacto e bonitinho. Mulher olha muito isso”. Adriana só não gostou dos para-lamas em plástico preto, porque acha que combina mais com veículos utilitários. Ao saber que a Renault definia o Kwid como um SUV, se espantou. “Ele entra como utilitário?! Nossa, não parece”.

 

Newsletter

Newsletter

Quer ficar por dentro das noticias da Revista Carro em primeira mão?

Receba grátis!

Obrigado!

Pin It on Pinterest

Share This