A aerodinâmica recordista mundial com Cx 0,189 e área frontal de 1,5 m² para mínima resistência ao deslocamento

O Volkswagen XL1 é um carro com jeito futurista capaz de prodígios em baixo consumo de combustível e emissões reduzidas. A receita é, até certo ponto, óbvia: baixa resistência aerodinâmica, pouco peso e pneus de baixo rolamento, combinados com propulsão híbrida térmoelétrica paralela com bateria de íons de lítio carregável pela tomada.
O motor bicilíndrico turbodiesel de 829,6 cm³ e injeção direta desenvolve 48 cv e 12,2 mkgf de torque. Traseiro, ele é acoplado a um transeixo com câmbio robotizado de dupla embreagem e 7 marchas sem trocas manuais, somente automáticas.

Entre o motor e o transeixo está o motor elétrico de 27 cv e 14,3 mkgf que ajuda o motor térmico quando o motorista precisa de desempenho máximo, o conjunto passa a fornecer 69,3 cv com 14,3 mkgf. O motor conta com árvore contrarrotativa de balanceamento para eliminar vibrações e já atende às normas de emissões Euro 6 que vigorarão a partir de 1/9/2014.

Com essa potência, o carro de dois lugares de 795 kg acelera de 0 a 100 km/h em 12s7 e chega a 160 km/h de máxima (limitada) com toda segurança. A suspensão é toda independente, triângulos superpostos na frente e braço semiarrastado atrás, com barras estabilizadoras de compósito de fibra de carbono. Os freios a disco em todas as rodas são carbocerâmicos, mais leves, sem assistência. A direção tampouco é assistida.

O baixo peso é resultado principalmente da carroceria de compósito de fibra de carbono. Um aliado importante é a aerodinâmica. O Cx 0,189 é recordista mundial em carros de produção, é associado à área frontal de apenas 1,5 m². São necessários apenas 8,4 cv para o XL1 manter 100 km/h, o que explica o baixo consumo de 0,9 litro de diesel por 100 km ou 111,1 km/l. Para os 160 km/h são necessários somente 34 cv.

As rodas são de magnésio com pneus Michelin 185/70R15 na frente e 145/55R16 atrás, inflados a 45 lb/pol². Os para-lamas traseiros têm saias para evitar turbulência, e a parte inferior do assoalho é completamente fechada. As dimensões do XL1 correspondem às de um carro normal em comprimento e largura, 3 888 mm e 1 665 mm, respectivamente, mas a altura é muito baixa (1 153 mm). As portas são do tipo faca.

O XL1 não tem espelhos retrovisores externos, só câmeras e pequenas telas montadas nas portas. Não há vigia traseiro e, portanto, nem espelho interno. O material transparente nas laterais é policarbonato e nas portas ele apresenta uma “janela-na-janela”, em que só uma pequena parte abre, por manivela. Mas há ar-condicionado.

E a bagagem? Ela fica no compartimento de 120 litros na extremidade traseira, acessado ao se abrir a tampa do motor, que tem dois conjuntos de grades de ventilação que evocam o Porsche 356. O espaço dianteiro é todo ocupado pela bateria de 220 V, a qual fornece corrente de 12A para uma bateria auxiliar via conversor de corrente.

Com a bateria de 5,5 kWh totalmente carregada, o XL1 pode rodar até 50 km só com o motor elétrico. O motorista pode escolher, por um botão no console, entre os dois modos, desde que haja carga na bateria. Ela é recarregada sempre que os freios são aplicados, quando o motor elétrico passa a ser o gerador.

Com os 10 litros de diesel do tanque, o XL1 vai longe. O consumo divulgado de 0,9 litro/100 km pode aumentar no mundo real, como em qualquer carro, para 1,5 a 1,9 litros por 100 km (67 a 52 km/litro), ainda assim é um número expressivo. Emite apenas 21 g/km de CO2.

Dirigir o XL1 é uma experiência nova. A saída é sempre elétrica e se percebe nitidamente o início de funcionamento do motor Diesel pelo ruído. As marchas são trocadas com rapidez e a programação é para a máxima economia. Impressiona como o XL1 ganha velocidade em razão da baixíssima resistência aerodinâmica. A direção e os freios sem assistência não chegam a fazer falta.

Foi fabricada uma série inicial de 50 veículos e serão feitos mais 250. O preço não foi revelado, mas deverá estar entre 40 000 e 50 000 euros. Pelo visto, esta é mesmo a fórmula do futuro. 

 

Ficha Técnica

Volkswagen XL1

Motor a combustão 2 cilindros, turbo, traseiro, transversal, diesel; Cilindrada 829,6 cm3; Cabeçote 
2 válvulas por cilindro; Potência 48 cv; Torque 12,2 mkgf; Motor elétrico 27 cv; Torque 14,3 mkgf; Câmbio dupla embreagem, 7 marchas; Tração traseira; Rodas magnésio, 15”(f), 16” (t); Comprimento 3,88 m; Largura 1,66 m; Altura 1,15 m Suspensão dianteira triângulos superpostos; Suspensão traseira braço semiarrastado; Porta-malas 120 l; Peso 795 kg

 

Newsletter

Newsletter

Quer ficar por dentro das noticias da Revista Carro em primeira mão?

Receba grátis!

Obrigado!

Pin It on Pinterest

Share This