A Renault apresentou nesta terça (14) à imprensa o Captur nacional. O SUV, que havia feito sua primeira aparição ao público no último Salão do Automóvel de São Paulo, estreia em duas versões. O pacote inicial Zen usa o mesmo 1.6 16V de até 120 cv do Duster, com câmbio manual de cinco marchas e preço de R$ 78.900. A versão intermediária 1.6 16V com caixa CVT só chega em junho, então, até lá, o único Captur automático será o topo de linha 2.0 16V Intense, por R$ 88.490. O modelo usa a mesma caixa de quatro marchas com conversor de torque da dupla Duster/Oroch.

Todas as versões do Captur (segundo a Renault se pronuncia Cáptur) no Brasil terão direção eletro-hidráulica, ar-condicionado, trio elétrico com rebatimento automático dos retrovisores, rodas de liga-leve de 17″, rádio com entrada USB e bluetooth, airbags laterais, partida dop motor por botão, DRL em LEDs e controle de estabilidade com assistente de partida em rampa.

Visual do Renault Captur chama a atenção nas ruas

Além destes itens, a versão 1.6 16V Zen oferece dois opcionais: o sistema multimídia MediaNAV com câmera de ré (R$ 1.990) e a pintura em dois tons (R$ 1.400).

O Captur 2.0 16V Intense adiciona entre os itens de fábrica rodas de 17″ com pintura exclusiva, apoio de braço para o motorista, MediaNAV com câmera de ré, ar-condicionado digital de uma zona, chave presencial, sensor de chuva e luz e farol de neblina com função cornering. Os dois únicos opcionais são a pintura em dois tons (R$ 1.400) e os bancos de couro (R$ 1.500).

Interior tem padrão mais refinado que o do Duster
O modelo terá a garantia de três anos da Renault, mas a marca irá oferecer uma extensão da proteção por mais dois anos, por um valor ainda não revelado. Quem financiar o carro pelo Banco Renault, porém, terá a garantia extra gratuitamente.

Apesar do nome, o Captur fabricado em São José dos Pinhais, PR, tem parentesco com a versão russa Kaptur, ao invés do modelo europeu homônimo. Sua plataforma é uma derivação da usada no Duster, com pouco compartilhamento de peças com o Captur vendido no velho continente. Segundo a Renault, somente faróis, portas dianteiras e tampa do porta-malas são iguais.

Motor 2.0 gera 142 cv de potência
Isso se refletiu também em mudanças em equipamentos e motores. Enquanto aqui são ofertadas apenas opções aspiradas e caixas automáticas convencional ou CVT, na Europa os propulsores turbinados são associados a caixas robotizadas de dupla embreagem. Outros equipamentos, como direção com regulagem de profundidade (no brasileiro só a altura é ajustável), airbag de cortina e Start-Stop também não estão disponíveis por aqui.

A Renault não fala em números, mas espera ganhar uma boa fatia do mercado de SUVs na faixa dos R$ 80.000. Um efeito colateral é uma possível canibalização do Captur 2.0 16V com o Duster equipado com o mesmo trem de força. A marca nega que a concorrência possa ocorrer, mas já prepara uma versão inédita de seu SUV compacto para manter as vendas do modelo.

Renault espera abocanhar boa fatia de mercado com o Captur

Nesta quarta-feira (15), CARRO irá trazer a vocês o nosso teste e avaliação com o novo Captur 2.0. 

Newsletter

Newsletter

Quer ficar por dentro das noticias da Revista Carro em primeira mão?

Receba grátis!

Obrigado!

Pin It on Pinterest

Share This