Produção em série e massificação dos veículos sem motorista passa pela sensação de segurança transmitida a pedestres e passageiros ao compartilhar o mesmo espaço: as ruas

Centro da Nissan nos EUA trabalha na condução de pesquisas sobre autônomos

Dois recentes registros de acidentes com morte em veículos com tecnologia de condução autônoma – um protótipo da Uber em parceria com a Volvo e um Tesla Model X com o modo AutoPilot ativado – levantaram mais uma vez a questão sobre o quão confiáveis e seguros são esses tipos de carro. Afinal, vencidos no futuro próximo os desafios relativos à massificação dos carros autônomos (como o aperfeiçoamento da tecnologia em si e a legislação vigente), de que forma tornar esses modelos confiáveis do ponto de vista de passageiros, pedestres e outros motoristas do trânsito?

De olho nesse desafio, a Nissan criou um Centro de Pesquisa no Vale do Silício, na Califórnia, com o objetivo de aprofundar os estudos em busca do aumento da confiança da sociedade nos veículos 100% autônomos. O núcleo trabalha na condução de pesquisas para desenvolvimento de tecnologias que possam ser aplicadas nos carros, além de levantamentos estatísticos com a sociedade.

Na América Latina, 69% dos entrevistados estão dispostos a usar um autônomo

Em um estudo inédito feito pela empresa em cinco países da América Latina, 69% das pessoas entrevistadas mostraram-se dispostas a utilizar um carro com tecnologia autônoma. O dado surpreende quando comparado à mesma pergunta aplicada à população dos Estados Unidos: apenas 53% dos norte-americanos demonstraram confiança neste tipo de veículo. O Brasil, entretanto, ficou na lanterna entre os cinco países latinos entrevistados (além de nós, Argentina, Colômbia, Chile e Peru fizeram parte do estudo), com 62%.

Tecnologia 'Brain-to-Vehicle' permite que carros interpretem sinais do cérebro do motorista

O dado surpreende pelo aspecto social: o trânsito dos países da América Latina é menos organizado e obediente a regras em relação a países desenvolvidos, como os da América do Norte e Europa. Exemplos disso foram mostrados em vídeo durante o Nissan Futures Latin America, realizado pela primeira vez em São Paulo, no início de março último (antes, vale lembrar, dos registros de acidente com os carros da Uber e Tesla). O evento reuniu jornalistas de toda a América Latina.

Comportamento x reação

A antropóloga e pesquisadora-chefe do Centro de Pesquisa da Nissan no Vale do Silício, Melissa Cefkin, apresentou no evento paulistano imagens do trânsito de diferentes países, como Argentina, Brasil, Estados Unidos e Irã. Em nosso país, segundo os registros, houve maior incidência de veículos desrespeitando o sinal de parada obrigatória e pedestres atravessando fora da faixa de segurança, por exemplo.

A antropóloga Melissa Cefkin, do Centro de Pesquisa da Nissan no Vale do Silício

Dessa forma, como os autônomos serão preparados para lidar com quebra de padrões e normas de segurança do trânsito? A Nissan aposta na tecnologia de inteligência artificial chamada Brain-to-Vehicle, ou B2V, apresentada na CES, em Las Vegas, no início deste ano. O B2V permite que carros interpretem sinais do cérebro do motorista e deem assistência – tanto com os sistemas de direção autônoma quanto manual – a fim de evitar um acidente.

“Com essa tecnologia, estamos transferindo os sentidos do cérebro do motorista para o veículo”, explica Melissa. Para isso, a empresa promove pesquisas com motoristas locais e cientistas sociais com o objetivo de entender e parametrizar os chamados “local menings”.

“Os carros devem levar em conta as diferenças culturais e expectativas em relação às atitudes no trânsito”, conta a especialista da Nissan.

Como aumentar a confiança?

Apesar dos avanços em relação à tecnologia autônoma, é preciso inspirar confiança nos carros sem motorista em meio ao trânsito. “Não basta os carros terem tecnologia. Precisamos que os passageiros, pedestres e outros motoristas sintam-se seguros ao compartilhar o mesmo espaço dos autônomos”, afirma Melissa.

Indicador de intenções (cor azul) é espécie de evolução da luz de seta

Para isso, a Nissan mostrou pela primeira vez no conceito IDS, de 2016, dois recursos de comunicação externa com pessoas no trânsito. Um deles é um display de mensagens posicionado acima do painel de instrumentos, de modo que pedestres e demais motoristas consigam ler mensagens de alerta do carro através do para-brisa – como “você primeiro”, por exemplo, sinalizando ao pedestre que o carro detectou sua presença e que o ser humano tem a prioridade.

Display do conceito Nissan IDS mostra mensagens a pedestres

O outro é um indicador de intenções que percorre toda a lateral do veículo. Ele funciona como uma evolução das atuais luzes repetidoras de seta. Porém, trazem um espectro variável de cores para indicar as próximas ações do carro, como “dobrar a esquina somente depois da bicicleta”.

Elétrico Leaf chega ao Brasil em 2019

No Nissan Futures, a fabricante de origem japonesa confirmou oficialmente a venda da segunda geração do elétrico Leaf no Brasil em 2019. Além do nosso País, o modelo será comercializado na Argentina, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, Uruguai e Porto Rico.

Chegada do Leaf ao Brasil foi confirmada pelo diretor de Marketing da Nissan América Latina, Juan Manuel Hoyos

“Para nós, é muito importante poder responder a algo que os nossos clientes estão dizendo. Hoje, 8 em cada 10 latino-americanos mostram interesse em ter um veículo zero-emissão, como o Leaf”, explica o diretor de Marketing da Nissan América Latina, Juan Manuel Hoyos.

O modelo será uma das atrações do Salão do Automóvel de São Paulo deste ano. Na Europa, a segunda geração do Leaf é vendida em três versões (S, SV e SL), com duas opções de baterias (40 kWh e 60 kWh). A de maior capacidade permite rodar por até 320 km com uma única carga. O hatch elétrico pode ainda ser equipado com sistemas de condução semiautônomos.

A maior incógnita é o preço, que dependerá das regras do regime automotivo que irá suceder o Inovar-Auto – o Rota 2030. Se chegasse ao mercado hoje, o Leaf de segunda geração não sairia por menos de R$ 150 mil.

Segunda geração do Leaf será vendida no Brasil em 2019

Newsletter

Newsletter

Quer ficar por dentro das noticias da Revista Carro em primeira mão?

Receba grátis!

Obrigado!

Pin It on Pinterest

Share This