O desenho manteve as sete fendas na grade dianteira. A versão para o Brasil terá motor V6 com potência de 271 cv

Ter 33 modelos à disposição para rodar em três pistas de testes, sendo uma delas off-road, é algo bem exclusivo. Há anos que o grupo Chrysler abre as portas do seu circuito de testes Chelsea Proving Ground, em Michigan, EUA, para que os jornalistas avaliem a linha do ano seguinte, no caso, os modelos 2015. A variedade de marcas também era representativa, confirmando, na prática, a fusão Chrysler/Fiat. Havia modelos Ram, Jeep, Dodge e Chrysler. Da parte da Fiat, estavam por lá os Fiat 500 (incluindo o esportivo Abarth, que virá para o Brasil) e o Alfa Romeo 4C. Por sinal, este belo e veloz exemplar italiano, juntamente com o Dodge Viper, foram os mais disputados: todos queriam acelerar esses bólidos na pista. Quais deles virão para cá? O primeiro será o novo Cherokee, até o final deste ano. O Dodge Durango, com um facelift, chega em fevereiro. Está a caminho uma versão do Dodge Journey, a Cross Road. Mas, sem dúvida, o Jeep Renegade, que será feito no Brasil, é o mais aguardado.

Jeep Cherokee

Começamos a avaliação com o Cherokee, que está todo novo. Mudou tudo, até mesmo a plataforma, que foi baseada na do Alfa Romeo Giulieta, uma das primeiras “fornadas” geradas após a aquisição da Chrysler pela Fiat (que deu origem ao grupo FCA). O modelo parece maior, agora muito mais voltado para o conforto, como deve ser um SUV de luxo. Entretanto, a Jeep se preocupa em manter também a sua cultura de veículos “parrudos” e confiáveis. Portanto, este carro pode tanto levar a família, como encarar as piores trilhas com bastante diversão.

O Cherokee está totalmente novo: perdeu o estilo mais rústico da versão anterior e ganhou um desenho moderno. Ficou bem mais confortável

O modelo que acelerei foi justamente a versão que virá para o Brasil, com motor V6 3.2 e sistema start-stop, produzida na fábrica em Toledo, Ohio, um moderno complexo industrial, que tive a oportunidade de visitar.

Trata-se de um SUV de luxo, mas de tamanho médio. A grande novidade é o câmbio de 9 marchas, automático ou manual, com trocas pela própria alavanca

Foi interessante ver que, apesar dos muitos robôs, as linhas de montagem ainda estavam repletas de pessoas descontraídas (muitas mulheres!), usando bermudas, chinelões ou roupas de ginástica. A valorização do ser humano no lugar das máquinas contribuiu para levantar a autoestima desses funcionários, devastados pela crise econômica iniciada em 2008.

O sistema oferece muitos recursos, tanto de segurança como de conforto

Pude perceber, em conversas informais, como eles são gratos à Fiat pela aquisição, que trouxe esperança às muitas famílias que dependem da fabricante.

Vamos ao Cherokee: a frente impressiona, com as suas sete grades tradicionais bem destacadas. Ele ficou com mais “cara de mau”. Esse motor V6 é novo, com 271 cv a 6.500 rpm de potência e consumo de 13,1 km/l na estrada, que, segundo a Jeep, é um grande avanço. Esse era um dos aspectos negativos do Cherokee: muito “gastão”. Esse consumo é resultado também do novo câmbio de 9 marchas, automático ou manual, cujas trocas podem ser feitas deslocando-se a própria alavanca.

Redução  de mais 45% no consumo: 13 km/l na estrada, segundo  a Jeep

O sistema stop-start é outro auxílio para a sua eficiência energética: o sistema consegue otimizar a economia, sem desligar totalmente o motor quando o veículo para em um semáforo, por exemplo.

Brad Pinter, gerente de marketing de produto da Jeep, explicou: “Com todos esses recursos, conseguimos uma redução de consumo de mais de 45%”. O Cherokee ficou bem agradável de dirigir, sem aquele jeito “jipão” que tinha antes. Acelerei fundo e confirmei que o desempenho não é o principal destaque deste modelo, que visa mais o conforto do que a esportividade.

A marca Jeep aparece em vários locais, até no encosto do banco

Brad Pinter também ressaltou os 70 novos itens de segurança, como o alerta de colisão e frenagem que previne acidentes, câmeras de segurança que mostram o movimento ao redor do carro, faróis automáticos, monitoramento do ponto cego, sensores de estacionamento, regulagem da luminosidade dos espelhos, entre outros. A tração é 4×4, mas tem um sistema que libera a tração do eixo traseiro quando não é necessário o uso da tração total. O controle de tração Select-Terrain pode ser regulado em cinco modos de uso: automático, neve, esportivo, areia, lama e rocha. O interior também é confortável e luxuoso, com vários cuidados de acabamento. As cores do interior são inspiradas na natureza: montanhas, vulcões, desertos, mar…

O Cherokee está sendo relançado no Brasil, segundo a Jeep. Vale a pena esperar, pois os seus vizinhos vão morrer de inveja!

Ficha técnica:

Motor V6, 24 válvulas, dianteiro, longitudinal, gasolina; Cilindrada 3.239 cm³; Potência 271 cv a 6.500 rpm; Torque 32,2 mkgf a 4.400 rpm; Câmbio • automático, 9 marchas, tração integral; Suspensão dianteira independente; Suspensão traseira independente; Pneus • 245/65 R17; Carroceria • SUV, cinco lugares;

Dimensões (CxLxA) • 4,62 m, 1,86 m, 1,72 m; Entre-eixos • 2,72 m; Peso • 1.863 kg.

Newsletter

Newsletter

Quer ficar por dentro das noticias da Revista Carro em primeira mão?

Receba grátis!

Obrigado!

Pin It on Pinterest

Share This