O Argo marca um novo passo no processo de renovação do portfólio da Fiat. Iniciada com a picape Toro, essa missão ganha uma importância ainda maior devido ao segmento no qual o estreante se enquadra: o dos hatches compactos, que representa quase metade dos emplacamentos no Brasil. Com um histórico de sucesso nessa categoria, a fabricante aposta as fichas no novato para aumentar sua participação no mercado (e, talvez, retomar a liderança).

 Levamos para nossa pista de testes o Argo HGT com câmbio manual. Por R$ 64.600, o HGT dispõe, entre principais itens de série, de controles de estabilidade e tração, sistema de partida em rampas e rodas de liga leve de 16 polegadas. O motor é o 1.8 16V E.torQ Evo VIS, que entrega até 139 cv de potência e 19,3 kgfm de torque, com etanol.

Versão HGT traz apliques de plástico nos para-lamas

No interior, chamam a atenção os recursos da central multimídia Uconnect, que traz tela de sete polegadas sensível ao toque e compatibilidade com sistemas de espelhamento de smartphones. Uma segunda tela no quadro de instrumentos permite visualizar informações como consumo, pressão dos pneus e velocímetro digital, entre outros.

Escapamento tem saída em formato retangular

O volante tem boa empunhadura e acabamento em couro. Os botões que controlam o sistema de som são posicionados na parte de trás e, apesar de escondidos à primeira vista, são bastante práticos de utilizar no dia a dia. Faz falta o controle de velocidade de cruzeiro (piloto automático), item só disponível nas versões com câmbio automático.

Central multimídia tem comandos intuitivos e destaca-se no alto do painel

Amplos, os retrovisores têm ótimo campo de visão e trazem, opcionalmente, luzes em led para iluminar o chão e guiar o motorista ao entrar e sair do carro em locais escuros. A segurança é garantida pelos apoios de cabeça e cintos de três pontos para todos os ocupantes.

Ao volante

O Argo HGT diferencia-se mecanicamente das demais versões pelo acerto mais esportivo da suspensão, que garante boa estabilidade em curvas sem comprometer o conforto ao passar por buracos e terrenos acidentados.

Motor 1.8 produz 139 cv de potência e 19,3 kgfm de torque com etanol

Com assistência elétrica, a direção é leve nas manobras e ganha firmeza com o aumento da velocidade. O ponto negativo é o ruído de vento que invade a cabine além do desejável ao rodar na estrada.

Nas provas de desempenho, o Argo HGT mostrou que não é uma versão esportiva somente no visual. Com etanol no tanque (padrão em nossos testes com motores flex), o compacto levou apenas 9s91 para chegar aos 100 km/h, partindo da imobilidade. As retomadas de 40-100/60-120/80-120 foram cumpridas em, respectivamente, 9s66/14s81/10s59. No teste de frenagem e 100 a 0 km/h, o Argo ficou na média da categoria, parando em 41,32 metros.

Com dirigibilidade equilibrada, bom espaço interno e pacote de itens de série generoso, o Argo tem atributos suficientes para definir novos padrões entre os compactos daqui para frente.

Porta-malas tem 300 litros de capacidade

> Confira os números do teste de pista do Fiat Argo HGT

 

Newsletter

Newsletter

Quer ficar por dentro das noticias da Revista Carro em primeira mão?

Receba grátis!

Obrigado!

Pin It on Pinterest

Share This