Carismático, Chery QQ tem sido a escolha de quem faz questão de um carro zero-quilômetro barato – pelo menos, até agora

Conferindo os números de venda do Chery QQ, nota-se que o sino-brasileiro de Jacareí/SP conquistou espaço em um segmento que até o meio de 2017 estava quase abandonado pelas maiores fabricantes nacionais: o dos subcompactos abaixo dos R$ 35 mil. Sem fazer alarde, teve 2.629 unidades emplacadas até outubro deste ano.

Evidentemente, o foco do Chery QQ não é desempenho e luxo, mas sim economia de combustível e comodidade ao dirigir no trânsito nas grandes cidades. Há quem se atraia pelo desenho “fofinho” de sua carroceria. Outros procuram-no pelo preço, que varia entre R$ 25.676 na versão básica Smile e R$ 31.994 na topo de linha, aqui avaliada.

No papel, o pacote é atraente. Por menos de R$ 32 mil, a versão ACT traz freios com distribuição de frenagem (EBD), rodas de liga leve, luzes de rodagem diurna (DRL), acionamento elétrico dos vidros dianteiros, retrovisores com ajuste elétrico, ar-condicionado, cintos de segurança traseiros laterais de 3 pontos, limpador e aquecedor do vidro traseiro, acionamento do porta-malas por botão e sensor de estacionamento traseiro. Porém, se esta descrição faz o QQ completo parecer promissor, na prática, há detalhes a se levar em conta.

BACANA, MAS POUCO PRÁTICO: Tampa do porta-malas é composta apenas pelo vidro traseiro basculante. Para-choque alto di?culta o acesso.

FALTA DIRIGIBILIDADE
A suspensão macia, combinada à leve direção assistida hidráulica, é adequada para manobras de estacionamento e trajetos urbanos. Mas, em velocidades mais altas, basta um desnível mais significativo do piso para que o carro pareça perder a estabilidade. Em rodovias, ou mesmo em vias rápidas acima de 80 km/h, é difícil se sentir plenamente seguro ao volante.

O motor 1.0 flex com 12 válvulas, capaz de gerar 75 cv de potência e 10,1 kgfm de torque, surpreende negativamente no consumo quando abastecido com etanol. No teste, atingiu 8,7 km/l em cidade e 11,0 km/l em percurso rodoviário. Média de 9,7 km/l, pior que a maioria dos compactos 1.0 de três cilindros.

Consumo no uso de etanol deveria ser melhor

Outro ponto que deveria ser melhor, mesmo para um projeto que visa preço final competitivo, é o desenho do painel. Os elementos não se unem harmonicamente, contrastando com  a jovialidade bem resolvida do exterior. A leitura dos instrumentos é ruim, principalmente no conta-giros, escalonado por luzes que se acendem de 500 em 500 rpm. A aparência do rádio é tão simples que chega a lembrar antigos toca-fitas dos anos 90. Carece de uma re-estilização urgentemente.

Desenho do interior não acompanha as linhas bem resolvidas do exterior: os instrumentos são confusos e de difícil leitura.

Com o lançamento do Renault Kwid e a consequente reação comercial de Fiat Mobi e Volkswagen Gol (que tendem a ficar mais baratos nas versões de entrada), o QQ vai enfrentar tempos dificílimos em seu nicho. Hora de deixar velhos hábitos para trás se quiser se manter competitivo no mercado.

Newsletter

Newsletter

Quer ficar por dentro das noticias da Revista Carro em primeira mão?

Receba grátis!

Obrigado!

Pin It on Pinterest

Share This