Se no mercado geral das picapes médias a Chevrolet perdeu a liderança para a Toyota Hilux, o subsegmento das flex ainda pertence, com folga, à S10. Em 2016, a versão flex dominou as vendas de picapes médias, com 57% de participação. Para manter sua soberania e, de quebra, ameaçar a rival japonesa, a Chevrolet S10 flex ganhou, neste mês, uma inédita versão com câmbio automático.

Chevrolet S10 Flex ganhou versão automática

A nova arma da marca chega em momento oportuno. Segundo uma pesquisa realizada pela própria Chevrolet, 87% dos consumidores afirmam que suas próximas picapes terão câmbio automático. Considerando os modelos flex, somente a Hilux oferecia trem-de-força bicombustível com caixa automática até o mês passado. 

Partindo de R$ 107.990, a S10 2.5 automática reforça a Chevrolet nesta briga entre as flex para atender a necessidade do público que “busca praticidade e precisa de uma picape robusta e tecnológica, porém mais acessível que a versão diesel”, conforme definiu Hermann Mahnke, diretor de marketing da General Motors do Mercosul.

Visualmente, apenas posições dos emblemas mudaram

O câmbio automático adotado na S10 flex é o mesmo de seis marchas da versão 2.8 turbodiesel. Ainda que o test-drive da picape tenha sido em circuito fechado, o traçado desnivelado e com curvas fechadas permitiu avaliar a sincronia do câmbio com as coordenadas do pé direito do motorista, e o resultado foi satisfatório. Trabalhando com o motor 2.5 de 206 cv e 27,3 kgfm de torque, a caixa apresenta um comportamento agradável, com trocas rápidas e suaves, mas o acelerador também merece destaque.

Uma das novidades estreadas pela S10 flex automática é o novo mapeamento acelerador, inspirado na Chevrolet Colorado, vendida nos Estados Unidos. O recurso permite que o pedal extraia mais desempenho do motor em carga menor de pressão: com 20% de curso, a S10 gera 0,6 g de aceleração. Na prática, é como se o câmbio estivesse sempre num modo “esportivo”, pois há mais agilidade com menos esforço. 

Câmbio de seis marchas é o mesmo da versão diesel

Considerando que o público-alvo das picapes flex circula boa parte do tempo em vias urbanas,  o comportamento da S10 flex automática é ideal para obter respostas rápidas em saídas de semáforos e trocas de faixas. Em rodovias, contudo, é possível que a pouca reserva de potência em situações em que o condutor recorra ao “kickdown” prejudique o prazer ao dirigir. Isso porque, ao pisar fundo no acelerador numa ultrapassagem, a entrega de potência não será significativamente maior – o que pode causar certa frustração. 

Na pista de testes os resultados obtidos pela picape foram bons. Na prova de aceleração de 0 a 100 km/h, a versão LTZ 4×4 avaliada precisou de 11s24 para concluir a prova. O número não surpreende tanto quanto os 9s5 declarados pela fabricante para a versão 4×2, mas garantem um bom patamar para o modelo em sua categoria. Se compararmos com a versão manual da S10 4×4 flex, a variante automática foi apenas um segundo mais lenta nessa prova.

Motor dianteiro L4 2.5 longitudinal continua gerando 206 cv

Em compensação, como já era de se esperar, a versão automática deu um banho na manual em retomadas: de 80 a 120 km/h, a S10 precisou de 8s19, ante aos 14s07 da manual. Outra vantagem do câmbio automático sobre o manual é fazer o motor trabalhar em rotações mais baixas: a 120 km/h o quatro-cilindros está em 2.800 rpm na manual e 2.250 rpm na automática. Tal benefício só não se refletiu em mais conforto aos ocupantes, devido ao pneu mais largo da S10 automática, o que prejudicou o nível de ruído. Nesta mesma velocidade, a versão manual produz 65,1 decibéis, frente a 68,1 db da automática.

O único quesito preocupante no teste da S10 foi o fading dos freios. A distância de 41,13 m percorrida para frear de 100 km/h a zero está entre as melhores do segmento, mas o fading apresentou discrepância de 14 m entre a melhor e a pior frenagem (54,91 m), com o veículo carregado com 200 kg. O desempenho é tão ruim que obteve nota zero em nossa tabela de avaliação.

Acabamento interno da S10 é ponto positivo da picape

Além do novo câmbio, a S10 flex automática também estreou melhorias estruturais que serão adotadas nas versões diesel da picape. A principal delas é um novo tipo de coxim de fixação da cabine com o chassi. O elemento elástico foi reforçado para reduzir a inclinação da cabine e contribui sensivelmente para a estabilidade do utilitário em curvas acentuadas.
 
CUSTO COM BENEFÍCIO
Como citamos no início, os preços da Chevrolet S10 flex automática partem de R$ 107.990 pela versão LT 4×2 (a 4×4 custa R$ 116.990). Nesta configuração, a picape é equipada com itens de série interessantes, como capota marítima, controlador de velocidade, direção com assistência elétrica, sensor de ré e central multimídia MyLink.

Ficha técnica da Chevrolet S10 Flex automática

Já a LTZ 4×4, topo de linha, é oferecida por R$ 129.990, R$ 3.080 mais barata que a rival Hilux SRV 4×4, e conta com itens exclusivos em picapes médias flex, como alerta de saída de faixa e de colisão frontal. O pacote inclui ainda sistema de partida remota, controle de estabilidade, sensor frontal e luzes diurnas (DRL) em LEDs. A mesma lista de itens está disponível de série para a opção LTZ 4×2, que custa R$ 122.990.

Medições realizadas no Campo de Provas da Cruz Alta, em Indaiatuba (SP)

Newsletter

Newsletter

Quer ficar por dentro das noticias da Revista Carro em primeira mão?

Receba grátis!

Obrigado!

Pin It on Pinterest

Share This