Carro conversível no Brasil é como aquele corte de cabelo ousado que você quis copiar de uma revista: é muito bonito na foto, mas no dia a dia é muito mais complicado conviver com ele do que você esperava antes de encarar a tesoura. 

Mesmo assim, ainda há quem opte pelos modelos “sem teto”, e, por esse motivo, a GM do Brasil incluiu a versão conversível do Camaro no portfólio da nova geração do esportivo.

Oferecido em opção única, o modelo é vendido por R$ 338.000, distante de qualquer rival posicionado abaixo (Audi TTS) ou acima (Porsche 718 Boxster) em termos de preço. Ele também é muito parecido com a versão cupê em quase tudo: ainda que seja 89 kg mais pesado, o Conversível foi apenas 0s21 mais lento na aceleração de 0 a 100 km/h e apresentou consumo médio apenas 0,3 km/litro pior. O novo modelo ainda traz mais melhorias do que o modelo de teto rígido na troca de gerações. Além da plataforma menor e mais leve, o Camaro Conversível finalmente ganhou uma capota com acionamento elétrico, que dispensa esforços para puxar e travá-la manualmente, como antes.

Visual sem teto deixa Camaro ainda mais distinto

Os problemas inerentes ao segmento até diminuíram, mas ainda se fazem presentes. O isolamento acústico da capota melhorou, mas a visibilidade segue ruim, assim como o espaço interno no banco traseiro. Sentar-se atrás no Camaro e fechar o teto não é recomendado para quem sofre de claustrofobia.

Como todo conversível, o melhor deste Camaro é rodar com o teto recolhido, devidamente oculto pelo acabamento que cobre a capota quando ela está dobrada. Fazer isso em uma estrada sinuosa é melhor ainda. A sensação de dirigir ao ar livre faz qualquer um esquecer de queda na bolsa, dólar valorizado ou outro problema mais comum ao dono de um Camaro.

Camaro conversível parte de R$ 338.000

Como se não bastasse, ainda dá para ouvir o grave som do V8 de 461 cv trabalhando com vigor, sem nenhum ruído de estrutura torcendo. A versão conversível é a que mais tem reforços na carroceria e resulta em ótimo trabalho para a suspensão, sempre em sua geometria ideal.

Pena que o Camaro descapotável carregue os mesmos problemas do irmão cupê. O maior deles segue sendo o acabamento muito simples para um carro desse preço, ainda que seja nítida a evolução na nova geração. Outros detalhes são mais fáceis de arrumar, como a tradução dos modos de condução do carro. Afinal, “pista” não é a forma correta de aportuguesar o modo mais tranquilo de condução denominada “Tour”.

Acabamento interno segue o mesmo padrão e design do cupê

Ainda que não seja tão prático no uso diário quanto nas fotos dessa página, o Chevrolet Camaro Conversível continua sendo uma ótima alternativa para despentear o cabelo que era para ficar igual ao de um artista.

Ficha técnica e medições realizadas na pista da ZF-TRW, em Limeira (SP)

Newsletter

Newsletter

Quer ficar por dentro das noticias da Revista Carro em primeira mão?

Receba grátis!

Obrigado!

Pin It on Pinterest

Share This