Competidores:

Nissan New March 1.6 SL: versão topo de linha do hatch reestilizado da Nissan, agora fabricado no Brasil, custa R$ 42.990. É bem equipado e tem bom desempenho. Mas não lembra o Kia Picanto?

Chevrolet Onix 1.4 LTZ: partindo de 47.490, o hatch da Chevrolet é bem construído, mas tem desempenho inferior e lista de itens de série menos completa. Será que ele dá conta do recado?

Chevrolet Onix LTZ 1.4 vs. Nissan New March 1.6 SL

O mercado automotivo segue dando sinais consistentes de amadurecimento. Um dos mais recentes indícios dessa evolução foi a inauguração da nova fábrica da Nissan em Resende, RJ, onde o a versão reestilizada do March (chamada agora de New March) começou a ser produzida. A grande questão para o consumidor agora é: o novo hatch nacionalizado manteve a qualidade do seu antecessor? E, principalmente: a proposta da novidade se mantém interessante perante o mercado? 

Para avaliarmos o New March, selecionamos sua versão topo de linha do, 1.6 SL (que assume o lugar da antiga SR), e a comparamos com o Chevrolet Onix 1.4 LTZ, uma das referências no segmento. Assim, foi possível não só observar as modificações em relação ao modelo anterior da marca japonesa, mas também compará-lo com um de seus principais rivais no mercado.

Antes de iniciarmos o comparativo, no entanto, falemos sobre o New March em linhas gerais. O hatch recebeu face-lift na traseira e design totalmente novo desde o para-choques dianteiro até o início da coluna “A”. Além da área com design notavelmente mais agressivo e faróis com máscara escurecida, a novidade também recebeu novo revestimento com cores escurecidas na parte interna, alteração que melhorou consideravelmente a sensação de qualidade.

Agora o hatch da Nissan será vendido em seis versões: 1.0 Comfort (R$ 32.990), 1.0 S (R$34.990), 1.0 SV (R$ 36.990), 1.6 S (37.490), 1.6 SV (R$ 39.990) e 1.6 SL (R$ 42.990). A configuração 1.0 de entrada, além dos freios ABS e airbag duplo, é equipada com ar-condicionado, direção elétrica, limpador e desembaçador do vidro traseiro. Motores e câmbios permanecem inalterados. Agora, vamos ao foco principal desta matéria. Qual é a melhor escolha entre os hatches completos? O Nissan SL ou Chevrolet LTZ?

No dia a dia

Nissan New March e Chevrolet Onix contam com as mesmas medidas internas, porta-malas quase idênticos (265 litros no Nissan e 280 litros no Chevrolet) e até mesmo posição de dirigir parecidas. Mas grandes diferenças no interior separam os modelos. A ergonomia da porta do New March, por exemplo, aparenta ter sido melhor projetada. Os comandos dos vidros e o mesmo puxador da porta do Nissan estão localizados a uma distância consideravelmente afastada do condutor, tornando seus acionamentos fáceis e intuitivos.

No Onix, os mesmos itens ficam muito recuados na porta, em direção à coluna central, tornando seu acesso inconveniente para condutores com alta a e, principalmente, baixa estatura — situação em que o banco mais próximo ao volante posiciona o ocupante quase paralelamente aos comandos. As portas traseiras do Onix também oferecem apoio mínimo para descansar o braço, enquanto o acionamento do vidro elétrico fica basicamente “escondido” abaixo, quase no mesmo nível do banco. Parece um projeto mais focado em forma do que função.

Porém, o Chevrolet dá o troco ao oferecer visual interno mais moderno e refinado, além de isolamento acústico notavelmente superior se comparado ao do New March. A Nissan afirma que investiu em uma manta acústica de maior densidade, localizada na parede corta fogo e na adição de uma nova proteção acústica no painel de instrumentos, para diminuir o nível de ruído interno, todavia, o New March se mostrou muito mais ruidoso que seu antecessor em todas as condições em nossa pista de teste. A 80 km/h na 4ª marcha, por exemplo, o modelo avaliado em 2013 gerava 64,4 dB no interior da cabine, ao passo que o modelo atual produziu 67,9 dB. Na mesma condição, o Onix emite apenas 62,4 dB.

Mas, nessa disputa acirrada, o New March SL surpreende em um ponto extremamente importante para o consumidor brasileiro: custo-benefício. Por R$ 42.990, o modelo é equipado com ar-condicionado automático, trio elétrico, direção com assistência elétrica, câmera de ré, além de sistema de entretenimento com tela tátil de 5,8”, GPS e a nova tecnologia NissanConnect — que, além de oferecer acesso ao Facebook, permite com que endereços e localizações de pessoas na rede social sejam transferidos para o sistema de navegação.

O New March SL recebeu também um novo conjunto de rodas de liga leve de aro 16”, item que, de acordo com a Nissan, ao menos inicialmente será oferecido somente para a configuração topo de linha — e não poderá ser adquirido separadamente em concessionárias. A justificativa, segundo a marca, é que para manter o bom nível de conforto (evitando que a suspensão chegue ao fim de curso com facilidade) e durabilidade do sistema de amortecimento, a configuração com as rodas de aro 16” e pneus 195/55 recebe também amortecedores com 8 mm a mais de curso na dianteira e 9 mm na traseira.

Quando analisado pela ótica do custo-benefício, o Onix não é atraente como seu rival. A configuração 1.4 LTZ do Chevrolet custa R$ 47.490, R$ 4.500 a mais que seu concorrente, e, além do motor com rendimento menor, deixa a desejar na lista de itens de série: não oferece ar-condicionado automático e digital, câmera de ré, ou mesmo o sistema de navegação. O modelo da GM agrada por oferecer câmbio automático de seis marchas e piloto automático como opcionais, itens indisponíveis no Nissan. Todavia, quando equipado com o pacote adicional, o modelo da marca americana passa a custar R$ 50.790, valor muito elevado para o segmento. Quando comparado com o representante da marca japonesa, o Onix mostra que precisará de atualizações para manter-se firme nas vendas.

Um detalhe favorável ao GM foi não apenas o seu baixo consumo de combustível (realizou médias de 8,3 km/l de etanol em ciclo urbano e 12,4 km/l em trajeto rodoviário), mas a sua ótima autonomia. Com uma média PECO (em que se considera 55% de rodagem em uso urbano e 45% rodoviário) de 10,1 km/l (com o combustível de origem vegetal) e tanque de 54 litros, o GM pode percorrer até 545 km antes de precisar de reabastecimento. O New March deixa a desejar nesse sentido: sua média PECO de 9 km/l com etanol não pode ser considerada ruim, mas o tanque de combustível com apenas 41 litros lhe permite autonomia de apenas 369 km. Essa diferença torna-se nítida no dia a dia, em que o condutor do March fará mais amizades forçadas com frentistas.

Por ser novidade no mercado, o New March ainda não tem a sua desvalorização ou preço do seguro disponíveis, mas os primeiros levantamentos do mercado vão a seu favor: o IPVA é menor que o do  Onix (R$ 1.516 contra R$ 1.960), e suas revisões até 30.000 km, também: custam 
R$ 717 no Nissan e R$ 1.188 no Chevrolet. Todavia, o Chevrolet desvaloriza 9,95% no primeiro ano de uso, enquanto o March SV (utilizado apenas como base estimada de comparação), sofre depreciação de 11,89% no primeiro ano.

Na pista

Em nossa pista de testes, o Nissan March compensou seu maior consumo de combustível com desempenho superior: com 5 cv e 1,2 mkgf de torque a mais, e consideráveis 85 kg a menos, o hatch da marca japonesa observou o concorrente pelo retrovisor nas acelerações e retomadas, e foi ultrapassado nas frenagens. O Nissan foi 1s0 mais rápido na prova de 0 a 100 km/h (10s4 contra 11s4), 1s6 mais ágil na  retomada de 40 km/h a 100 km/h em terceira marcha (9s5 ante 11s1), e estancou 1,8 metros antes na frenagem de 100 km/h a 0 (40,2 m contra 42,0 m).

Se comparado ao March 2013 (com pneus Maxxis 175/60 R15 e equipado com ABS), que freou de 100 km/h a 0 em 43,2 m, a versão restilizada do Nissan mostrou boa melhoria em frenagens de emergência. Porém, o novo modelo deixou a desejar nas demais situações dinâmicas. A aceleração de 0 a 100 km/h, por exemplo, tornou-se mais difícil no New March: partindo com o motor em rotações médias, os pneus destracionavam demasiadamente, e os três dígitos no equipamento de aferição eram atingidos em não menos que 10s7. Ao arrancar com o giro baixo, o motor demorava para “crescer”, e o tempo de aceleração superava os 11s0. O melhor registro, de 10s4, foi atingido com um pouco de embreagem queimada para evitar que os pneus patinassem. O modelo anterior realizou a mesma prova em 9s9, em 2013.

E além da considerável rolagem da carroceria em frenagens e mudanças de direção, o March perde aderência dos pneus dianteiros sem dar aviso prévio quando provocado ao limite, tornado-o arisco. A sensação ao volante, é de que seus pneus são excessivamente duros. Todavia, tais características são notadas somente no caso de uma condução mais exigente. O Onix, embora com desempenho inferior, é um veículo mais “na mão” para o condutor que busca dirigir ao limite — ou vivencia uma situação muito adversa.

Consideradas todas as características, o March SV ainda se posta como o melhor negócio. Ele tem os seus deslizes, mas seu custo-benefício é imbatível para o segmento.

Conclusão: análise técnica

1º Nissan New March 1.6 SL: 156,5 pontos

Positivo: preço, lista de itens de série, design moderno, novo acabamento interno

O Nissan March não apenas evoluiu como projeto, mas também surpreendeu com o novo preço. Por R$ 42.990, ele custa R$ 4.500 a menos que o Onix LTZ e oferece freios ligeiramente melhores, desempenho notavelmente superior, além de ar-condicionado digital e automático, câmera de ré e sistema de navegação. Além do mais, seu interior ficou mais aconchegante com a coloração escura, e o design, mais equilibrado. Como ponto negativo, o March deixa a desejar em isolamento acústico, câmbio ruidoso e suspensão que permite muita oscilação da carroceria — diminuindo a confiança do condutor. Mas é o melhor negócio.

2º Chevrolet Onix 1.4 LTZ: 153 pontos

Pontos positivos: acabamento, suspensão

O Chevrolet Onix se mostrou um concorrente mais forte do que imaginávamos neste comparativo. Ele agrada pelo espaço interno e pelo porta-malas equivalentes ao do Nissan March, chassi e suspensão com melhor acerto, consumo de combustível mais contido e melhor acabamento interno. Todavia, seus pontos mais fracos são o preço muito elevado em relação ao do rival da marca japonesa, e a lista de itens de série consideravelmente menor que a do Nissan. O desempenho é bom para um 1.4.

Conclusão: análise de mercado

1º Chevrolet Onix 1.4 LTZ: 46,5 pontos

Pontos negativos: preço, itens de série

O hatch da Chevrolet teria se sobressaído com muito mais vantagem quando avaliado pelo mercado se seu preço fosse menos elevado. Ele é bem construído para o segmento, tem ótimo consumo e autonomia, mas não é equipado como o March e tem preço muito elevado.

2º Nissan New March 1.6 SL: 46 pontos

Negativo: suspensão, sensação de qualidade, autonomia, alto nível de ruído

Não fosse o tanque de combustível tão pequeno (que prejudicou sua autonomia), o Nissan March teria se sobressaído também quando avaliado pelo ponto de vista mercadológico. Apesar disso, seu custo-benefício ainda é o mais atrativo deste comparativo.

Veredito: Nissan New March SL é o vencedor
O Nissan March 1.6 SL provou ser a melhor escolha quando comparado ao Chevrolet Onix 1.4 LTZ. O modelo oriundo da marca japonesa é equivalente ao hatch da GM em volume do porta-malas e espaço interno, mas dá um salto à frente em desempenho, preço e lista de itens de série. Seu custo-benefício é o melhor do comparativo, embora ele não consiga oferecer o mesmo nível de conforto, qualidade de acabamento interno, estabilidade e consumo de combustível do rival. O compacto da GM passa a sensação de ser mais maduro em relação ao Nissan, na hora de trafegar, mas precisa ter seu preço e lista de itens de série revistos para aguentar a concorrência acirrada. Enquanto isso, o March segue à frente.

Outras opiniões:

Por César Tizo I Editor executivo
Acho o Onix um bom carro, porém não me agrada o preço praticado pela Chevrolet. A situação se agrava quando ele é colocado ao lado de um modelo com custo-benefício interessante como o March SL. Entre os dois, também escolho o Nissan.

Por Leonardo Barboza I Editor de testes
O Onix tem certa vantagem por oferecer maior número de concessionárias, porém é nítido que o Nissan tem melhor custo-benefício em relação ao GM. E com a nacionalização do New March, acredito que o seu pós-venda melhorará muito. Meu voto é para ele.      

Newsletter

Newsletter

Quer ficar por dentro das noticias da Revista Carro em primeira mão?

Receba grátis!

Obrigado!

Pin It on Pinterest

Share This