Conforme você pôde conferir na reportagem anterior sobre o novo Ka (página 44), o hatch da Ford  assumiu proposta diferente da que tinha quando foi lançado em 1996 na Europa — e em 1997 no Brasil. Agora, segundo a marca americana, o hatch não mira mais em compactos como Fiat Uno e Chevrolet Celta, e sim em modelos mais requintados como Chevrolet Ônix e Hyundai HB20. Pensando nisso, preparamos um comparativo (veja na página 62) com os modelos citados. Mas também acreditamos que a versão topo de linha do Ka, a SEL (R$ 39.990), vai brigar com Volkswagen white up! (R$) e Nissan New March 1.0 SV (R$ 36.990), os 1.0 de entrada mais modernos do mercado atualmente. Assim, reunimos as três versões mais sofisticadas para constatar qual é a melhor.

A primeira característica a chamar a atenção no novo Ka é o design. Ele é um veículo bem resolvido quando analisado esteticamente, mas passa longe de oferecer as linhas atraentes que marcaram a sua primeira geração. Ele pode ser considerado até discreto, mas, com 3,88 m de comprimento, 1,69 m de largura e 1,52 m de altura, a novidade da Ford é notavelmente mais imponente que o March (com 3,82 m, 1,67 m e 1,52 m) e, o up! (com 3,60 m, 1,64 m e 1,50 m). E o benefício das maiores dimensões do Ford não fica restrito ao visual: embora seu porta-malas ofereça apenas 257 litros (265 litros no Nissan e 280 litros no VW), a área para pernas, cabeça e ombros é notavelmente superior que a do March SV e, principalmente, do up! Ou seja, o Ka é o mais versátil no dia a dia e confortável para quem trafega com lotação máxima constantemente.

Além do espaço interno bom, o Ka SEL também acolhe muito bem o condutor — característica típica da Ford. O hatch é gostoso de dirigir, receita que leva como “temperos” a agradável posição de conduzir, câmbio com engates justos e precisos (embora ainda não esteja no mesmo nível da caixa de marchas oferecida no up!), além de direção leve em baixas velocidades e precisa em altas. E enquanto a suspensão do New March é a mais ruidosa do trio ao se trafegar em vias mal pavimentadas, fato acentuado por ele ter o menor peso dos três, nota-se que o curso da suspensão do up! é insuficiente em determinadas situações, embora apresente ótimo compromisso entre conforto e estabilidade. O novo Ka exibe um conjunto mais bem acertado, destacando-se pelo rodar suave e pela estabilidade exemplar. A sua resposta de direção é elevada e chega a ser até instigante em determinados momentos.

Ainda na parte interna, o March SV apresenta o desenho mais simples e acabamento mediano perante os concorrentes. O Ka SEL ostenta linhas mais ousadas e bom acabamento — embora a Ford afirme que o modelo das fotos é uma unidade pré-série, e que o acabamento ainda pode ser alterado —, enquanto o white up! tem traços mais conservadores, porém, apresenta acabamento digno de veículos de nível superior.

Curiosamente, o novato Ford Ka SEL apresentou características curiosas durante a avaliação. Embora seja uma versão topo de linha, por exemplo, o ajuste elétrico dos retrovisores é um acessório que, ao menos por enquanto, será instalado somente em concessionária. O que mais chamou a atenção, no entanto, foi a série de pequenos defeitos apresentados pelo Ford durante o teste. O marcador de combustível, por exemplo, mostrou-se muito impreciso, enquanto o desalinhamento da tampa do porta-malas exigiu mais força para ser fechada completamente. E os mais detalhistas poderão se incomodar com os vãos irregulares entre as chapas da carroceria.

A oferta de cada um
Custando R$ 36.990, o Nissan New March 1.0 SV é o veículo mais barato — e simples — do comparativo, mas além de espaço interno e porta-malas razoáveis, o hatch da marca japonesa tem lista de itens de série adequada: além dos obrigatórios freios ABS e airbag duplo, contempla ar-condicionado, direção com assistência elétrica, travas, vidros e espelhos retrovisores elétricos, sistema de som com Bluetooh, volante com controle do sistema de som, faróis de neblina e rodas de aro 15” com pneus 185/60. Trata-se basicamente da mesma lista de itens de série oferecida no VW up! — que, por sua vez, não oferece a abertura elétrica dos vidros traseiros. Em compensação, além de poder ser equipado com sistema multimídia com navegador, o VW carrega o benefício de ser o compacto mais seguro oferecido no mercado atualmente, com nota máxima na avaliação do Latin NCAP.

Já a lista de itens de série do Ford Ka SEL é um de seus grandes destaques. Embora (ao menos por enquanto) não possa ser equipado com navegador, item opcional no Volkswagen, a novidade oferece assistente de partida em rampa (tecnologia que mantém o sistema de freios ativado por poucos segundos após o motorista retirar o pé do pedal, de modo a facilitar a arrancada), além de controle de tração e estabilidade — item de segurança normalmente oferecido somente em veículos com valor acima de R$ 50.000. Outra inovação importante para auxiliar na segurança dos ocupantes é a chamada “assistência de emergência”, tecnologia que funciona em conjunto com o Sync — item de série na versão topo de linha do Ford.

Caso o interruptor inercial do combustível seja ativado, ou os airbags sejam disparados, o sistema de entretenimento, se estiver conectado a um aparelho celular, realiza uma ligação automática para o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), informando que houve uma colisão, passando dados da localização do automóvel e, na sequência, abrindo a linha para o sistema viva voz do automóvel. Embora dependa do sinal de telefone celular para funcionar (o que significa que o sistema não funciona em todas as vias), a tecnologia merece grande destaque, uma vez que, assim como os controles de tração e estabilidade, é única no segmento dos populares. Os demais itens de série do Ford Ka SEL são equivalentes aos presentes no Nissan March SV, tornando-o a melhor oferta nesse quesito.

Algumas informações mercadológicas sobre os veículos, normalmente utilizadas em comparativos, não puderam ser computadas nessa avaliação, uma vez que o Ford Ka ainda não foi lançado no mercado. 

Desempenho e dinâmica
Comparar um veículo com motor 1.0 de 4 cilindros (Nissan March) com dois modelos 1.0 tricilíndricos (VW Up! e Ford Ka 1.0 SEL) deixa evidente como a tecnologia de redução do número de cilindros apresenta resultados positivos. Todavia, o que mais surpreendeu durante a elaboração desta reportagem foi a diferença de desempenho obtida pelo Ford em relação ao Volkswagen — cujo desempenho já havia se mostrado superior ao de propulsores convencionais anteriormente.

O motor 1.0 empregado no Ford Ka pertence à mesma família do 1.0 EcoBoost — que, com turbo e injeção direta de combustível, produz até 125 cv e 20,5 mkgf de torque no Ford Focus vendido na Europa. No Brasil, o tricilíndrico conta com um cabeçote diferente, uma vez que é aspirado e utiliza injeção indireta de combustível. Mas, ainda assim, conta com comando de válvulas variável tanto na admissão quanto no escapamento,  conferindo mais elasticidade ao motor. Segundo a Ford, a novidade gera nada menos que 85 cv e 10,7 mkgf de força com etanol, enquanto o up! rende 82 cv e 10,4 mkgf, e o New March 1.0 produz 74 cv e 10 mkgf de torque.

Na pista de testes, mesmo com o novo Ford sendo o mais pesado do comparativo (registra 1.026 kg na balança, contra 958 kg do VW e 956 kg do Nissan) ele apresentou rendimento notavelmente superior ao dos rivais. Na prova de aceleração de 0 a 100 km/h, o Ka cumpriu a prova em 14s0, contra 14s5 do up! e 14s8 do New March. A diferença foi ainda mais notável nas provas de retomada. De 80 km/h a 120 km/h em 5ª marcha, foram somente 15s4 gastoos pelo modelo da marca americana, contra 17s9 do rival alemão e 19s5 do exemplar da marca japonesa.

Mas, se, por um lado, o Ka SEL apresentou as melhores acelerações e retomadas, por outro, a novidade não conseguiu acompanhar o white up! no consumo de combustível. O Ford foi ligeiramente melhor que o VW no ciclo urbano (registrou 9,1 km/l, contra 8,8 km/l) mas em ciclo rodoviário a média de 13,1 km/l do Ka não acompanha os 15,3 km/l do up!. O New March 1.0, por sua vez, obteve médias menos animadoras, de 8,4 km/l e de 10,9 km/l em cidade e estrada, respectivamente. O Ka SEL também apresentou desempenho ligeiramente inferior ao esperado nas provas de frenagem — mesmo equipado com pneus 195/55, contra os 185/60 dos rivais. Para frear completamente vindo a 100 km/h, o Ford precisou de 41,3 m, contra os 39,6 m do Nissan New March e os 39,1 m registrados pelo up!. Vindo a 140 km/h, no entanto, a diferença foi consideravelmente ampliada: em nossa pista de testes, os hatches registraram 83,1 m ,76,6 m e 78,0 m (Ford, Nissan e Volkswagen, respectivamente).

Somadas todas as características apresentadas pelos compactos nesse comparativo, o Ka SEL  surge com um pacote muito mais vantajoso por R$ 39.990. É fato que o modelo ainda precisa de ajustes para corrigir as falhas de acabamento, mas oferece itens de segurança incomuns, versatilidade, ótimo desempenho e bom preço. Não se pode negar que ele é um divisor de águas entre os compactos.

Conclusão:

Análise técnica:

Pontos positivos: conjunto motriz, posição de dirigir, espaço interno, segurança e suspensão

1º Ford Ka 1.0 SEL: 171,5 pontos

É fato: o Ka SEL 1.0 não obteve as melhores marcas nas frenagens, e os vãos irregulares entre as peças externas não transmitem a melhor sensação de qualidade do produto. Mas, à parte desses importantes detalhes, o novo Ford surpreendeu nesse primeiro contato. Além de vibrar pouco, seu motor tricilíndrico tem bom consumo de combustível e ótimo desempenho dentro do segmento. E o espaço interno também merece destaque, assim como a posição de dirigir e a dinâmica — um dos pontos fortes da marca. A maior revolução do hatch da Ford, no entanto, vai para os sistemas de segurança. Além dos freios ABS e airbag duplo obrigatórios, o Ka SEL é equipado com assistente de partida em rampas, controle de tração e estabilidade, além do sistema de emergência no Sync — que liga para o Samu, fornece os dados de localização e abre a linha para o viva-voz do veículo, caso o interruptor inercial do combustível seja ativado ou os airbags sejam deflagrados. Com essa combinação, a Ford não apenas oferece um veículo bem resolvido, mas revoluciona na segurança dos populares. Características que fizeram a novidade conquistar o primeiro lugar deste comparativo.

Pontos positivos: acabamento interno, posição de dirigir, consumo de combustível

2º VW white up!: 160 pontos

A consistente quantidade de inovações e boas características do Ford Ka SEL empurraram o white up!, até então referência no segmento, para o segundo lugar no pódio desse comparativo. Ainda assim, o Volkswagen tem uma série de virtudes: a qualidade de seu acabamento interno é a melhor entre os concorrentes, o manuseio do câmbio é macio e silencioso, e, embora tenha curso limitado, a suspensão oferece bom compromisso entre conforto e dirigibilidade. O up! é muito econômico, bom de dirigir e bem acertado na dinâmica, mas tem menos itens de segurança e espaço interno que o Ford.

Pontos positivos: design está mais atraente, acabamento interno escuro é mais agradável

3º Nissan March 1.0 SV: 144,5 pontos

“Pouco refinado” é um termo justo para descrever o New March 1.0 SV: o tempo todo, o hatch da Nissan lembra seus ocupantes que é um veículo simples. O isolamento acústico deixa a desejar perante os rivais, os engates do câmbio são ruidosos e não passam a sensação de um conjunto robusto (embora não tenhamos histórico de reclamação do modelo), e a suspensão permite muita oscilação da carroceria — além de ser barulhenta também. Não é possível considerar o March 1.0 SV um veículo ruim, mas, claramente, ele está um nível abaixo do VW Up! e do novo Ford Ka. Condiz com o preço.

Análise de mercado

1º VW white up!: 46,5 pontos

Com a chegada do Ford Ka SEL por R$ 40.000, a Volkswagen pode precisar rever o preço da versão topo de linha do up! para manter a competitividade no mercado, uma vez que o concorrente da marca americana tem melhor desempenho e espaço interno, suspensão com melhor acerto e importantes itens de segurança. À parte do preço elevado, o compacto da marca de origem alemã se destacou em nossa análise mercadológica, fato comprovado pela sua ótima aceitação no mercado — de acordo com a Fenabrave, foram emplacadas 6.223 unidades do up! somente em junho. Em nossa cotação, o VW ficou com preço do seguro notavelmente abaixo da concorrência, e, embora tenha custos de manutenção e revisão dentro da média, ele dá o troco com a baixa desvalorização, consumo de combustível e ótima autonomia. O compacto ainda é amparado pela boa reputação de durabilidade da marca alemã. Uma sequência de boas notas lhe levaram ao primeiro lugar na análise mercadológica.

2º Ford Ka 1.0 SEL: 44,5 pontos

O Ford Ka SEL apresentou resultado mediano com as informações mercadológicas iniciais disponíveis: consumo de combustível e autonomia são bons, e seu preço é muito atraente, visto que ele oferece controle de tração e estabilidade, assistente de partida em rampa e ligação automática para o Samu em caso de acidentes — itens exclusivos na categoria. Seu preço de revisão e peças de reposição não foram revelados, mas o IPVA é alto, e o seguro, R$ 900 mais caro que o do up!, pesa negativamente na sua balança. Não brilhou como poderia nesse aspecto.

3º Nissan March 1.0 SV: 39 pontos

O New March 1.0 SV deixa a desejar com o consumo de combustível mediano e tanque de combustível pequeno — oferecendo autonomia limitada. E a falta de alguns dados sobre o Ford Ka SEL impediram a atribuição de algumas notas, o que pode ter atrapalhado o resultado final do Nissan no quesito mercadológico. Mas os custos de manutenção e revisão até 30.000 km do hatch da marca japonesa, por exemplo, são consideravelmente baixos — assim como o IPVA, em função do preço menor. No dia a dia, o March é honesto com o consumidor: tem lista de itens de série condizente com seu preço.

Veredicto: e o Ford Ka SEL é o campeão

Mesmo tendo apresentado desempenho mediano nos quesitos mercadológicos, alinhamento irregular de peças da carroceria, tampa do porta-malas que recusou-se a fechar suavelmente, além de peças de acabamento que merecem mais esmero — escorregões do quais a Ford se defende com o fato do modelo testado ainda ser uma unidade pré-série —, o Ka SEL mostrou-se um veículo notavelmente superior aos seus rivais neste comparativo, por diversos aspectos. Componentes como controle de tração e estabilidade, assistente de partida em rampa e o sistema de ligação de emergência para o Samu em caso de acidentes são únicos na categoria e agradará consumidores preocupados com segurança, enquanto o ótimo espaço interno para a categoria será bem-vindo para os que necessitam de versatilidade para o dia a dia. O motor 1.0 tricilíndrico é linear e oscila consideravelmente menos em marcha-lenta que o VW up!, oferece consumo de combustível agradável, além do melhor desempenho, com folga, entre os 1.0 aspirados do mercado atualmente. Assim como no New Fiesta, a suspensão do Ford Ka oferece ótimo compromisso entre conforto e dirigibilidade, enquanto a posição do motorista auxilia no prazer ao conduzir. Em resumo, o novo produto da Ford pode ser considerado revolucionário. Ele oferece segurança  versatilidade de uma categoria superior, por preço de um veículo de entrada completo. Mereceu o primeiro lugar no comparativo.

Outras opiniões

por Wilson toume I Editor-chefe
Em relação ao primeiro Ka, lançado no Brasil em 1997, a nova geração perdeu o charme por completo. O carro é apenas “mais um” no trânsito. Em compensação, oferece ótimo espaço interno e bons equipamentos. Na dúvida, fico com o up!.

por Vinicius montoia I Repórter
Pude perceber que o Ka chama muita atenção na rua. Ao dizer às pessoas que essa é a nova geração do hatch, vi muitos rostos surpresos. Tirando a parte do acabamento interno, no qual o up! é superior, o Ka é, pelo bom desempenho do motor tricilíndrico, o melhor compacto do mercado.

Newsletter

Newsletter

Quer ficar por dentro das noticias da Revista Carro em primeira mão?

Receba grátis!

Obrigado!

Pin It on Pinterest

Share This