Toyota detalha plataforma do C-HR

Motorpress
Da Redação, em São Paulo (SP)
01/12/2016 11:27

A um mês de lançar o C-HR na europa (mais precisamente no Reino Unido), a Toyota divulgou um comunicado que enfatiza a importância da plataforma modular sobre a qual o inédito SUV compacto é produzido, a mesma que dá vida à nova geração do Prius. Trata-se da Nova Arquitetura Global da Toyota (ou TNGA, na sigla, em inglês). 

Antes mesmo de qualquer pronunciamento da fabricante, a total distinção dos dois primeiros modelos que advém da TNGA já demonstram a capacidade diversificada da sua arquitetura. Enquanto um é sedã híbrido, com 2,70 m de entre-eixos, o outro é um SUV com 2,64 m de distância entre-eixos e design ousado (nada a ver com a abordagem mais conservadora do Prius). As bitolas (distância das rodas no mesmo eixo) dos dois modelos também são diferentes.

Toyota C-HR começa a ser vendido na Europa em janeiro

Falando sobre o C-HR, a Toyota afirmou que a ideia era criar um crossover com dinâmica idêntica a de um "hatchback muito competente", adequado ao gosto dos Europeus (mais exigentes em dirigibilidade e estilo fluido). Para tanto, além do já comentado design, a TNGA-C (designação para a plataforma do C-HR) possui um centro de gravidade baixo (o mais baixo entre os rivais, segundo a Toyota), o que evita rolamento excessivo da carroceria e permite mais conexão entre motorista, carro e via.

A plataforma modular atual também é 65% mais rígida que a predecessora, proporcionando um ajuste de suspensão mais refinado aos carros, entre dinâmica precisa e conforto. No caso do C-HR, o conjunto de suspensão frontal é composto por uma configuração McPherson aliada a uma barra estabilizadora. 

A Toyota diz que Prius e C-HR foram apenas os primeiros modelos provenientes da nova arquitetura global. Mais veículos serão criados a partir dela.