Tira-dúvidas: velocidade mínima e calibração

Motorpress
Da Redação, em São Paulo (SP)
20/10/2016 15:38

Todo mês na revista CARRO o consultor técnico Bob Sharp responde às dúvidas dos leitores sobre tudo que cerca o universo do automóvel. Veja uma seleção delas

Dúvida: Pelo que sei, existe velocidade mínima, que é a metade da máxima, mas, vez por outra, me deparo com caminhões desrespeitando essa regra. Parece que não há fiscalização para isso. Não está errado?
William Chaves  • Bananal, SP

Além da máxima, as vias também tem velocidades mínimas

RESPOSTA: Realmente, o Art. 62 do Código de Trânsito Brasileiro estabelece que “a velocidade mínima não poderá ser inferior à metade da velocidade máxima estabelecida, respeitadas as condições operacionais de trânsito e da via”. Como qualquer outra norma de trânsito, o seu cumprimento deve ser fiscalizado, mas a infração desse artigo não parece preocupar autoridades de trânsito na mesma medida que o outro extremo, o da velocidade máxima. Um veículo lento demais torna-se um obstáculo móvel, o que constitui ameaça à segurança do trânsito. Além disso, 
deixa os motoristas de carros estressados devido à lentidão a que têm de se sujeitar. Ultrapassar pela contramão em trecho proibido por faixa divisória amarela é infração gravíssima — 7 pontos na CNH e multa de R$ 957,69, que a partir de novembro sobe para  R$ 1.465,26 — mesmo que não haja veículo vindo em sentido contrário. A tentação é ainda maior nos trechos de subida, conhecidos dos policiais rodoviários.

Dúvida: Com tantos carros hoje com a função start-stop, é bom, num carro sem o sistema, desligar e ligar manualmente? Poupa combustível? Traz algum dano? Após quanto tempo parado é bom desligar o motor? 
Benito Chiarell • Curitiba, PR


Função start-stop reduz consumo e emissão de CO2

RESPOSTA: Pode-se simular o sistema, mas nos carros que o trazem de fábrica há diferenças técnicas, começando pelo motor de partida reforçado e pelo monitoramento da carga da bateria (de maior capacidade em ampères/hora). A economia de combustível é pequena, a menos que se ficasse horas com o motor em marcha-lenta. Em princípio não afeta o carro, mas a vida do motor de partida será menor. Só vale a pena desligar depois de um minuto parado. O start-stop serve mais para baixar a emissão de CO², ainda que pouco, um objetivo na Europa. Mas vai muito da consciência ambiental de cada um.

Dúvida: Tenho visto em alguns manuais de carros que a pressão dos pneus é a mesma, com carro vazio ou cheio. Por que isso? A pressão não deve ser ajustada conforme a carga? Sempre foi assim. 
Roberto Vasconcellos • São Paulo


Carros novos tem pressão única para o carro carregado ou vazio

RESPOSTA: Realmente, era assim há anos, mas várias fabricantes vêm adotando essa estratégia de pressão de enchimento dos pneus única por motivo exclusivo de segurança. Com pressão única para qualquer carga no veículo, elimina-se o risco de os pneus estarem com pressão para até três ocupantes e sem bagagem e se trafegar com o carro em condição de carga máxima. O rodar pode até perder um pouco do conforto, mas há a certeza de não perder segurança por pneus com pressão inferior à recomendada. O que continua valendo é aumentar a pressão entre duas a três libras (lb/pol²) ao se pegar a estrada.

Dúvida: Apesar de ser praticamente impossível andar horas à velocidade máxima no Brasil, tenho a curiosidade de saber se um carro pode trafegar por horas andando tudo o que pode sem danificar o motor.
Daniel Kimura  • Garça, SP


RESPOSTA: Qualquer carro de produção em série pode ser usado nessa condição. As fabricantes levam esse tipo de uso em conta e em muitos casos, ficam atentas a um fator específico: a temperatura do óleo. Assim, aplicam trocadores de calor óleo-água ou óleo-ar nos casos mais extremos. Desde que a sua temperatura não ultrapasse 130 ºC, o motor é insensível a essa maneira de utilização.