Tira-dúvidas: farol baixo, lombadas e carro preso

Motorpress
Da Redação, em São Paulo (SP)
07/10/2016 11:12

Todo mês na revista CARRO o consultor técnico Bob Sharp responde às dúvidas dos leitores sobre tudo que cerca o universo do automóvel. Veja uma seleção delas:

Luzes diurnas não estão sujeitas a multa

Dúvida: Minha dúvida é sobre a obrigatoriedade do uso de farol baixo nas rodovias. A luz de rodagem diurna presente na maioria dos veículos importados e alguns nacionais substituem o farol baixo? A lei não parece ser muito específica. Corre-se o risco de ser multado estando usando apenas a luz diurna? 
Maélcio Ribeiro Silva (São Sebastião do Paraís, MG)

RESPOSTA: A redação da lei foi o que se pode chamar de irresponsável, pois consistiu apenas de acrescentar as palavras “e nas rodovias” ao Art. 40, inciso I, nada além disso. Foi sancionada em 24/5/2016 e só vigoraria em 8 de julho, 45 dias depois, tempo mais que suficiente para o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) regulamentá-la. Mas isso não aconteceu, uma flagrante omissão do órgão normativo do Sistema Nacional de Trânsito. Uma das muitas dúvidas foi justamente a sua. Choveram declarações da Polícia Rodoviária Federal (como se não houvesse as polícias militares rodoviárias estaduais), contraditórias até. Até que o Denatran se dignou a instruir os gestores dos órgãos competentes do Sistema de Nacional de Trânsito por meio do Ofício-Circular nº 7/2016, de 6 de julho, no sentido de que as luzes de rodagem diurna podem ser usadas para os fins exigidos pela lei.

Leitor não concorda com a utilização de lombadas nas ruas

Dúvida: Concordo que existe algo errado na cabeça dos governantes do Brasil. As lombadas deseducam as pessoas. Perde-se a tranquilidade da direção e com isso a adrenalina é jogada na circulação sanguínea, favorecendo o aumento de velocidade. Devia haver estudos sobre esta invenção tupiniquim de algum “doente mental”, para tentar conter a proliferação das lombadas que impedem as pessoas de dirigir de forma tranquila. 
Dr. Rubens Dario de Moura Jr (Cuiabá, MT)

RESPOSTA: Suas ponderações são pertinentes e perfeitas. Como médico, o sr. sabe o que pode acontecer com um paciente com problema vascular ou hemorrágico se a ambulância que o transporta passar por uma lombada em maior velocidade (por não estar corretamente sinalizada ou outro motivo) ou como minutos para chegar à emergência podem significar a diferença entre vida e morte.

Interlagos Berlineta está sendo restaurado por leitor

Dúvida: Estou restaurando um Interlagos berlineta mas o carro não se move, é como se as rodas estivessem presas. O que devo fazer? 
Luiz Ovídio Luz Boro (Barretos, SP) 

RESPOSTA: As rodas traseiras, nas quais atua o freio de estacionamento, é que devem estar prendendo o carro, e as lonas “colaram” no tambor. Levante o carro e veja que as rodas dianteiras devem estar soltas. Experimente aquecer os tambores com um bico de solda a oxigênio (acetilênica), com eles quentes (não precisa exagerar), dê pancadas leves com um martelo de ponta plástica lateralmente por toda a periferia do tambor. Coloque rapidamente a roda e tente girá-la com a mão. Acredito que esse procedimento deve resolver o problema.