Renault Kwid mantém preços agressivos até outubro

FERNANDO LALLI
de São Paulo (SP)
03/08/2017 11:47

O Renault Kwid foi oficialmente lançado no Brasil na noite desta quarta-feira, 2 de agosto, em São Paulo/SP. A fabricante confirmou que, por enquanto, o subcompacto continua com os mesmos preços agressivos da pré-venda. No evento de lançamento, o novo presidente da Renault do Brasil, Luiz Pedrucci, anunciou que o Kwid vendeu quatro vezes mais do que o esperado pela fabricante durante os dois meses da campanha.

Versão Zen deve ser a mais vendida do Kwid
A linha começa na versão básica Life por R$ 29.990, que tem direção mecânica, rodas de aço 14", airbags frontais e laterais duplos, alerta visual e sonoro de não-utilização do cinto de segurança do motorista, abertura interna do porta-malas, banco traseiro rebatível, desembaçador do vidro traseiro, indicador de estilo de condução e de troca de marcha.

A intermediária Zen, que custa R$ 34.990 (com o rádio fica R$ 35.390), deve corresponder a pelo menos 60% das vendas totais do modelo. Em adição aos equipamentos da versão Life, traz de série direção com assistência elétrica (ao invés de mecânica), ar-condicionado, sensor de estacionamento, rádio com USB e bluetooth, trava elétrica das portas, vidros dianteiros elétricos, alerta sonoro de faróis acesos, limpador do vidro traseiro, retrovisor interno com função dia/noite e revestimento interno do porta malas.

A versão top de linha é a Intense+Pack Connect, por R$ 39.990. Além do sistema multimídia MediaNav com câmera de ré, vem com retrovisores com ajustes elétricos, computador de bordo, roda flexwheel 14", faróis de neblina, retrovisores pintados, apoio de cabeça traseiro central e chave canivete.


Os preços devem ser mantidos pela Renault até o mês de outubro, quando a versão Life terá a opção de vir com ar-condicionado e direção com assistência elétrica. Já a versão Intense, vendida apenas em sua configuração completa, "perderá" itens como MediaNav com câmera de ré, que se tornarão opcionais.

Reforçado
Construído sobre a nova plataforma CMFA da Aliança Renault-Nissan, o subcompacto de 3,68 metros de comprimento passou por pelo menos 35 crash-tests e mais de 1 milhão de km de rodagem durante os três anos de seu desenvolvimento, afirma a fabricante.

Concebido para o mercado indiano, o Kwid tem 70% de seus componentes fabricados no Mercosul. Além disso, 80% de suas peças foram redesenhadas para o nosso mercado. Isso inclui reforços na carroceria, tratamento acústico e eixos dianteiro e traseiro mais robustos, visando melhoria de estabilidade, que deixaram o carro 120 kg mais pesado que o original.

Motor 1.0 SCe é diferente do Sandero/Logan
Ao contrário do que se imaginava, o motor SCe 1.0 de três cilindros não é o mesmo que equipa a linha Sandero/Logan. É uma derivação simplificada (código BR10LS), cuja mudança mais significativa está no cabeçote, que não possui comando variável de válvulas. Com isso, desenvolve 66 (G)/70 cv (E) de potência e 9,4/9,8 kgfm de torque. O câmbio SG1 é manual de cinco marchas em todas as versões.


O quadro de instruimentos possui o indicador de troca de marchas (GSI), além de um indicador de estilo de condução abaixo do velocímetro. Por meio de barras com três níveis de cores (verde, amarelo e laranja), mostra se o motorista está dirigindo de forma econômica ou não.

Os sistemas de suspensão são McPherson na dianteira e eixo rígido em “U” na traseira. Para compensar a ausência da barra estabilizadora, os amortecedores dianteiros ganharam mola contractiva montada dentro dos tubos. A altura elevada do solo (180 mm) e os generosos ângulos de ataque (24°) e saída (40°) são os motivos pelos quais a Renault chama o Kwid de “SUV dos compactos”.

Garantia e revisões
O Renault Kwid tem três anos de garantia, mais a extensão de dois anos para quem optar pelo financiamento pelo Banco Renault. A fabricante oferece plano de manutenção com preços fixos nas revisões até os 60 mil km: R$ 349 na versão Life e R$ 388 nas versões Zen e Intense.

Para saber como o Kwid se comporta ao rodar, rodamos 1.000 km com o subcompacto por ruas e estradas. Ainda o levamos para a avaliação de mecânicos e potenciais compradores. Tudo isso você lê na edição de agosto da Revista CARRO, que já está nas bancas.