Evoque pode ter motor 2.0 turbo de 300 cv em 2017

Motorpress
Da Redação, em São Paulo (SP)
13/09/2016 12:00

A Jaguar Land Rover (JLR) começou a produção do seu inédito motor 2.0 turbo de quatro cilindros a gasolina da família Ingenium. O motor vai substituir os blocos de mesmo deslocamento atualmente fornecidos pela Ford, que equipam modelos como o Evoque com o motor 2.0 turbo de 240 cv (que a Ford chama de EcoBoost). 

Novo motor Ingenium 2.0 turbo de quatro cilindros a gasolina

A nova família de motores Ingenium da JLR tem em comum a arquitetura modular, cujo padrão de deslocamento por cilindro é de 500 cm³, o que permite flexibilizar e baratear a produção. Embora não tenha revelado números de desempenho, a companhia afirma que o novo propulsor 2.0 turbo será 15% mais econômico e 25% mais potente que o atual (ou seja, podendo atingir até 300 cv). 

O motor 2.0 turbo de quatro cilindros Ingeninum a gasolina equipará os carros da JLR a partir do ano que vem. Atualmente, há apenas o 2.0 turbodiesel de 190 cv da família Ingenium no portfólio da companhia. 

Range Rover Evoque será um dos beneficiários do novo motor 2.0 turbo

Além da produção do novo motor, a Jaguar Land Rover também anunciou que desenvolveu uma transmissão de dupla embreagem de oito marchas totalmente nova, batizada de Transcend. De acordo com os engenheiros da marca, o câmbio pode providenciar uma economia de até 10% e é 20 kg mais leve que as atuais caixas automáticas de oito marchas da companhia. 

A transmissão poderá equipar veículos de configuração longitudinal com tração traseira ou integral e a Jaguar afirmou que seu uso será mais propício aos veículos off-road. 

Nick Rogers, diretor de engenharia da JLR, disse que a "inovação ambiental está no foco da estratégia da Jaguar Land Rover para reduzir drasticamente as emissões até 2020 e além". "Com a família de trens-de-força da Ingenium e projetos como o Transcend, os veículos da JLR vão emitir significativamente menos CO2. Até 2020, novas tecnologias vão nos ajudar a reduzir essas emissões para mais de 25%."