Décima geração do Honda Accord adere ao downsizing

GUSTAVO DE SÁ
de São Paulo (SP)
17/07/2017 10:25

A Honda apresentou nos Estados Unidos a 10ª geração do Accord, um dos modelos de maior sucesso da fabricante japonesa. O sedã grande (para os padrões brasileiros; nos EUA, é considerado médio) passa a ser construído na mesma plataforma do Civic de 10ª geração e ganhou 5,4 cm de distância entre-eixos, apesar de o comprimento total ter diminuído 1 cm.

Pela primeira vez em sua história, o Accord não terá opção de motores aspirados nas versões ‘convencionais’ (somente na variante híbrida). Em substituição ao antigo 2.4 de até 187 cv da geração anterior, as versões de entrada virão com o 1.5 turbo que já equipa o Civic, mas com ajustes para render até 194 cv de potência a 5.500 rpm e 26,5 kgfm de torque, disponíveis entre 1.500 e 5.000 rpm. Para este propulsor, as opções de câmbio são um manual de seis marchas ou automático do tipo CVT.

As opções de topo virão com o propulsor 2.0 turbo do Civic Type R, com 255 cv de potência a 6.500 rpm e 37,7 kgfm de torque entre 1.500 e 4.000 rpm. O motor mais potente pode ser combinado a uma transmissão automática de 10 marchas ou a um câmbio manual de seis velocidades.

A Honda não revelou todas as especificações do modelo híbrido. Sabe-se apenas que o motor é 2.0 de ciclo Atkinson, combinado a um novo conjunto de baterias posicionadas abaixo do assoalho traseiro (preservando, assim, o espaço no porta-malas).

Além da estrutura e motores, o design do Accord também foi baseado no irmão menor. A grade frontal é destacada e tem prolongamento acima dos faróis (com iluminação full-led na versão Touring). O teto tem caimento mais suave, no estilo cupê. As lanternas têm recortes que invadem a tampa do porta-malas.

O Accord traz tecnologias como controle de cruzeiro adaptativo, reconhecimento de placas de sinalização, head-up display e sensores de monitoramento de pontos cegos.