Curtimos o verão italiano com o Fiat 124 Spider

HEINRICH LINGNER
Da Auto Motor und Sport (Alemanha)
12/10/2016 13:00
FIAT 124 SPIDER
FIAT 124 SPIDER
FIAT 124 SPIDER
FIAT 124 SPIDER
FIAT 124 SPIDER
FIAT 124 SPIDER
FIAT 124 SPIDER
FIAT 124 SPIDER
FIAT 124 SPIDER
FIAT 124 SPIDER
FIAT 124 SPIDER
FIAT 124 SPIDER
FIAT 124 SPIDER

É verão na Itália, mas não espere que eu faça alguma menção à canção "Un'Estate Italiana" ("Verão italiano"), composta por Giorgio Moroder para a Copa do Mundo de 1990 e que fez muito sucesso nas rádios europeias durante algum tempo. Para os alemães, a lembrança é muito agradável, já que a seleção germânica conquistou aquele título, mas vamos deixar isso de lado.

Estamos na época mais quente do ano e, como é natural nessa época, pode chover à noite. O fotógrafo quer sair bem cedo no dia seguinte para garantir a melhor luz ao nascer do sol, e como temos um Fiat 124 Spider vermelho à disposição, concordo e vamos dormir. Para variar, a intuição do meu colega não falha, as nuvens se afastam durante a noite e o sol surge esplendoroso.

Fiat 124 Spider transmite elegância em qualquer ângulo

A cor do conversível é Rosso Passione, e custa 400 euros. Para quem não quiser desembolsar o valor adicional, a opção é Bianco Gelato, Azzurro Italia ou tons de prata/cinza absolutamente sem graça, algo totalmente contraditório em um carro como este. Resumindo, o "vermelho-paixão" é a única cor que podemos escolher. 

A essa altura, você pode até estranhar a presença deste pequeno Fiat nesta seção da revista. Afinal, mesmo sendo um conversível, o Spider está longe de ser um superesportivo. Mas não se afobe, você vai entender em seguida. Apesar de ser um Fiat, o 124 Spider não é produzido apenas na Itália. Os motores saem daqui para a fábrica da Mazda em Hiroshima, no Japão, onde são montados nos carros e de lá são exportados para o mundo. 

Duas versões estão disponíveis, ambas com motor 1.4 MultiAir, uma com 140 cv e outra com 170 cv. A mais potente é a Abarth. A nossa é a configuração mais “calma”, mas isso está longe de ser algo negativo.

Motor MultiAir turbo entrega 140 cv e 24,5 kgfm

O desempenho, de acordo com os dados da fabricante, é muito bom e está longe de decepcionar: aceleração de 0 a 100 km/h em 7s5 e velocidade máxima de 215 km/h. Mas esses números não são suficientes para traduzir o que esse carro tem de melhor: a dirigibilidade.

Isso não acontece por acaso, já que o Fiat é construído sobre a base do Mazda MX-5, famoso pelo prazer ao dirigir. Dos japoneses também foi herdada a opção pela simplicidade, e, assim, o teto é de tecido e sua operação é manual, simples, prática e rápida. E o melhor: dispensa mecanismos complexos – e pesados. A capota é tão fácil de manusear que pode ser aberta ou fechada até mesmo durante a parada em um semáforo! 

Localizado no norte da Itália, o lago de Garda é o maior do país e se caracteriza por duas correntes de ventos durante o dia: um gelado, proveniente das montanhas ao norte, pela manhã e outro quente, vindo sul, à tarde. Agora é hora do vento do sul, e a imagem das águas do lago parecem convidativas a um banho.

Por dentro o acabamento é caprichado, mas sem exageros

Seguimos adiante pela estrada sinuosa, repleta de túneis e penhascos com vista deslumbrante do lago, em direção à pequena Malcesine, conhecida pelo imponente Monte Baldo e seu teleférico, que permite atingir o cume, a 1.190 metros. A vista panorâmica é de tirar o fôlego. É hora, então, de saborear um cappuccino e um lanche leve em um quiosque, aproveitando a sombra das árvores, e nos preparar para o resto da viagem.

A partir daqui, passamos a descer pela estradinha cheia de curvas, o que nos permite não só desfrutar da direção leve e precisa do roadster ítalo-japonês (ou nipo-italiano), mas também da ótima caixa de câmbio manual de seis marchas. A tração traseira é outro fator que contribui para a ótima sensação a bordo, mas a suspensão independente nas quatro rodas aliada à ótima distribuição de peso são cruciais para o elogiado comportamento desse conversível.

Motor dianteiro e tração traseira resultou em ótima distribuição de peso

Mas não se pode falar em desempenho sem mencionar o belo motor 1.4 MultiAir turbo, que entrega 140 cv e 24,5 mkgf de maneira uniforme, mesmo nas rotações mais baixas. Nesse aspecto, vale lembrar que o Fiat consegue se sair bem melhor que o seu "primo" Mazda MX-s com seu motor de aspiração natural. 

Outro aspecto que vale ser mencionado: apesar de pequeno e da ligação com o histórico homônimo lançado há 50 anos, o 124 Spider atual não tem nada de simples. O carro é equipado com o que há de mais moderno em tecnologia, como ESC e controle de tração, luzes diurnas e faróis de LED, sistema de proteção para pedestres no capô, monitor de pressão dos pneus e, claro, estrutura reforçada para proteção em caso de colisões e capotagens. 

DADOS DE FÁBRICA Fiat 124 Spider
Motor 4L, turbo, dianteiro, longitudinal, gasolina
Cilindrada 1.368 cm³
Potência 140 cv a 5.000 rpm
Torque 24,5 kgfm a 2.250 rpm
Câmbio Manual, 6 marchas
Tração Traseira
Rodas Liga leve, 16''
Suspensão dianteira Triângulos superpostos
Suspensão traseira Multibraço
Velocidade máxima 215 km/h
Aceleração (0 a 100 km/h) 7s5

O fim da viagem se aproxima enquanto o sol se põe no horizonte. Algumas nuvens ameaçadoras surgem, mas não há problema. A chuva no verão italiano é sempre bem-vinda.

Adaptação de Wilson Toume, da Motorpress, em São Paulo (SP)