Chevrolet não trará elétrico Bolt ao Brasil

Motorpress
Da Redação, em São Paulo (SP)
11/01/2016 14:38
ELÉTRICO CHEVROLET BOLT
ELÉTRICO CHEVROLET BOLT
ELÉTRICO CHEVROLET BOLT
ELÉTRICO CHEVROLET BOLT
ELÉTRICO CHEVROLET BOLT
ELÉTRICO CHEVROLET BOLT
ELÉTRICO CHEVROLET BOLT
ELÉTRICO CHEVROLET BOLT
ELÉTRICO CHEVROLET BOLT
ELÉTRICO CHEVROLET BOLT
ELÉTRICO CHEVROLET BOLT
ELÉTRICO CHEVROLET BOLT
ELÉTRICO CHEVROLET BOLT
ELÉTRICO CHEVROLET BOLT
ELÉTRICO CHEVROLET BOLT
ELÉTRICO CHEVROLET BOLT

Depois de apresentar o novo Chevrolet Bolt durante a Consumer Eletronics Show 2016, a General Motors está mostrando o carro no Salão de Detroit, nos Estados Unidos, e revelando mais algumas informações importantes sobre o carro. Um dos destaques é a bateria do carro posicionada sob o assoalho e incorporada ao chassi, ocupando menos espaço e pesando 435 quilos (o que é considerado mais leve para os parâmetros de carros elétricos).

Conjunto de baterias do Bolt pesa "apenas" 435 kg

O motor elétrico de alta potência do Bolt é capaz de gerar até 202 cv e trabalha em conjunto com uma nova transmissão automática de alta precisão, segundo a montadora. Este motor acelera de 0 a 100 km/h em menos de sete segundos e tem velocidade máxima de 145 km/h. O Bolt consegue rodar até 320 km com uma única carga na bateria.

Para entregar esse desempenho, a bateria de 60 kWh foi devidamente desenvovlida, utilizando íon-lítio rico em níquel, o que melhorou o desempenho em relação a outras soluções, além de precisar de menos resfriamento. Segundo a GM, para uma viagem de 80 quilômetros o Bolt precisa apenas de 30 minutos de carga em uma tomada convencional de 240 volts. O Bolt ainda pode ser equipado com um sistema opcional de recarga rápida, que entrega autonomia de 145 km.

Autonomia do Bolt chega a 320 km

A arma da GM para promover o carro no mercado é o preço, de US$ 30 mil, que é muito mais barato do que os outros elétricos vendidos no mercado, como o i3, da BMW e o Model S, da Tesla. A má notícia, no entanto, é que o Bolt não está nos planos da Chevrolet para o Brasil. De acordo com o executivos da marca, ouvidos pelo CARRO ONLINE em Detroit, mesmo com as isenções fiscais, o preço pouco competitivo e baixo volume de vendas não compensariam o investimento.