Carros que estreiam em 2017: saiba o que vem aí

WILSON TOUME
Da Motorpress, em São Paulo (SP)
20/01/2017 09:58

Parece incrível, mas já vai longe o tempo em que as fabricantes celebravam o fim do ano com números em alta e perspectiva de crescimento para o ano seguinte. Embora o setor não tivesse divulgado os números finais de 2016 até o término desta edição, a expectativa não era nada otimista, com a grande possibilidade de o setor terminar o ano com menos de dois milhões de veículos comercializados, de acordo com a Anfavea.

Conceito T-Roc: visual que pode ser usado em futuro SUV compacto

Só que, mesmo com esse cenário, a indústria automotiva não pode parar. Pelo contrário, cronogramas têm de ser seguidos e modelos precisam ser lançados ou renovados, sob pena de ficarem defasados e perderem competitividade, o que pode significar prejuízo ainda maior para as fabricantes. Menos mal para os consumidores brasileiros.

Renault fará uma aposta ousada com o Kwid, seu futuro modelo de entrada

A primeira grande atração – que já está chegando às concessionárias – é o Hyundai Creta, o aguardado SUV compacto da marca sul-coreana que possui atributos para conquistar a preferência dos consumidores no Brasil (confira a primeira avaliação do modelo na página 28).

E, como era de se esperar, a competição cada vez mais acirrada no segmento dos SUVs compactos fez com que a Ford acelerasse a renovação do EcoSport. O pioneiro da categoria em nosso mercado – que já foi apresentado no mercado americano – vai passar a exibir visual similar ao dos demais modelos da marca, com a grade dianteira estilo Aston Martin destacando-se.

O renovado EcoSport deve chegar ao mercado brasileiro neste ano

Outra novidade no modelo exposto nos Estados Unidos foi o interior totalmente remodelado em relação ao SUV que conhecemos por aqui, com uma nova central multimídia com tela tátil de 8” e sistema Sync 3 como principal atração. Por aqui, o mais provável é que essa central fique reservada às configurações mais caras do modelo, mas a nova cabine agrada assim mesmo.

Novo Fiesta europeu ficará mais requintado

Outra novidade da Ford é o Fiesta, que também passou por uma “plástica” no mercado europeu para mantê-lo competitivo. Só que a versão atualizada do compacto deve ficar restrita ao mercado do Velho Continente, ao menos por enquanto, já que não há indícios de que o modelo vá chegar cedo ao Brasil.

Já a Renault prepara uma verdadeira ofensiva de SUVs, com a chegada do Captur e do pequeno Kwid – que será o novo carro de entrada da marca –, além do Koleos (modelos que você pôde ver de perto no Salão do Automóvel). 
Ainda na categoria dos SUVs, outra estreia que deve chamar a atenção é a nova geração do Peugeot 3008 (confira a avaliação na página 72), que abandonou de vez o estilo minivan para adotar o visual e as características de utilitário.

O Renault Captur brasileiro será feito sobre a plataforma do Duster

APOSTA NO MÉXICO
A Kia Motors também terá novidades. Além do renovado Cerato (a principal estrela no estande da marca no Salão de São Paulo), o veículo que deve se destacar no portfólio da marca sul-coreana é o Rio. Previsto inicialmente para estrear por aqui no ano passado, o hatch acabou ficando para 2017 por conta de sua produção na recém-inaugurada fábrica da Kia no México. De lá também virão o já mencionado Cerato, além do Sportage e do KX3, um SUV compacto que terá como missão rivalizar com Honda HR-V, Jeep Renegade etc.

Após  alguns adiamentos, o Kia Rio finalmente será oferecido no Brasil.

Em uma categoria vários degraus acima, a Audi prepara o lançamento da nova geração do seu sedã mais sofisticado, o A8. Ainda sem data confirmada de lançamento, o modelo deve marcar a estreia do sistema de direção autônoma da marca, por meio do qual o carro vai poder rodar sem interferência humana a até 60 km/h. O mais provável é que o novo A8 faça a sua estreia mundial no Salão de Frankfurt.

Novo A8 deve ter condução autônoma

Outro que também deverá surgir pela primeira vez no evento alemão é o VW Polo. Para os brasileiros, a notícia tem importância especial porque, embora o modelo não vá ser vendido por aqui, ele vai estrear a plataforma A0, que servirá de base para a nova geração do Gol, prevista para chegar ao mercado apenas em 2018.

A VW não vai trazer o Polo, mas o novo modelo interessa aos brasileiros

Outro modelo que será produzido sobre essa nova plataforma é o aguardado SUV compacto da marca, ainda sem nome definido. Em entrevista concedida durante o Salão de Paris, o presidente da VW do Brasil, David Powels, afirmou que o design do futuro modelo estava “quase definido” (na época), dando a entender que o conceito T-Roc – exibido em diversos salões – servirá de base para o modelo, que pode chegar ainda neste ano ao mercado (embora essa estratégia seja improvável no momento).

Complicada também é a situação do Golf, que passou a ser produzido no Brasil, mas sem atingir o número de vendas almejado pela VW. Com isso, a chegada da oitava geração do hatch médio ao mercado brasileiro torna-se uma incógnita. Afinal, é difícil imaginar que a fabricante vá investir ainda mais em um carro que ainda não obteve o retorno esperado (ainda que isso se deva aos problemas econômicos do país).

A oitava geração do VW Golf dificilmente chegará ao Brasil neste ano

Em compensação, o novo Touareg não só deve estrear em breve na Europa, como também chegar ao Brasil até o fim deste ano. Compartilhando plataforma com Audi Q7 e Bentley Bentayga, o novo Touareg vai desembarcar aqui para acirrar a disputa na categoria de utilitários luxuosos e de grandes dimensões. Sua primeira aparição pode ocorrer em Genebra.

Novo VW Touareg será construído sobre a plataforma do Audi Q7

MAIS AVENTUREIROS
Quem esteve no Salão de São Paulo viu uma das principais atrações da Honda, o WR-V. Embora a fabricante negue, o modelo é a versão aventureira do Fit, uma espécie de “Fit Twist repaginado”, com alterações na suspensão e no visual. A fabricante não divulgou mais detalhes do carro, mas é provável que o modelo obtenha sucesso, baseado no retrospecto dos demais produtos da marca no mercado nacional.

O WR-V  é uma versão modernizada do antigo Fit Twist

A Toyota também conta com uma novidade entre os SUVs compactos, mas, se depender do histórico da marca, os brasileiros não devem vê-lo pelas ruas do país tão cedo. Apresentado em sua  versão definitiva no Salão de Genebra do ano passado, o C-HR possui visual ousado, o que pode complicar a sua chegada por aqui, já que o brasileiro é conhecido por seu conservadorismo (principalmente quanto aos carros). 

Toyota C-HR é a aposta da marca entre os SUVs compactos

PARA TODOS OS GOSTOS (E BOLSOS)
Após renovar quase toda a sua linha de produtos no país em 2016, a Nissan complementará a gama com a nova geração da picape Frontier, que, inicialmente, deve ser oferecida apenas na configuração topo de linha, com motor 2.5 turbodiesel de 190 cv, tração 4x4 e câmbio automático de sete marchas, importada do México.

Inicialmente, a picape Nissan Frontier será trazida do México

As chinesas Chery e Lifan também terão novidades, com destaque para os modelos Tiggo 2 e X80. O primeiro é a evolução do conhecido jipinho e deve conviver com o antigo durante algum tempo. Já o segundo será uma opção mais em conta de SUV para sete ocupantes, se a cotação do dólar não subir muito no decorrer do ano.

Nova geração do conhecido SUV chinês vai conviver com a antiga

Entre os SUVs maiores também haverá novidades. A Land Rover deve trazer a quinta geração do Discovery (que ainda não foi lançada na Europa) até o fim deste ano, enquanto o Volvo XC60 deve chegar com novo visual.

Novo Discovery chegará ao Brasil este ano

Entre as novidades da Mercedes-Benz, destaque para o novo E Coupé, que deverá injetar uma boa dose de jovialidade e esportividade na linha, assim como o luxuoso Classe S, que vai passar por uma reestilização que deverá conferir ainda mais requinte ao modelo.

A nova geração do E Coupé vai se destacar pelo visual ousado

Espera-se ainda que outras novidades cheguem ao mercado, como versões cada vez mais eficientes (seja por meio de modificações no motor ou com a adoção de sistemas como start-stop ou downsizing de motores).

Mas, para o consumidor, o importante é que as novidades continuarão a chegar e que os automóveis seguirão mantendo-se atualizados em termos de tecnologia, o que também permitirá a sua popularização.