Visual sóbrio oculta tecnologia do VW Passat

RODRIGO RIBEIRO
Da CARRO, em São Paulo (SP)
08/01/2016 10:30
Volkswagen Passat 2.0 TSI
Volkswagen Passat 2.0 TSI
Volkswagen Passat 2.0 TSI
Volkswagen Passat 2.0 TSI
Volkswagen Passat 2.0 TSI
Volkswagen Passat 2.0 TSI
Volkswagen Passat 2.0 TSI
Volkswagen Passat 2.0 TSI
Volkswagen Passat 2.0 TSI
Volkswagen Passat 2.0 TSI
Volkswagen Passat 2.0 TSI

É necessário atenção, sobretudo ao observar a traseira, para notar as mudanças na sexta geração do Passat. Mas, ao contrário do que o visual tradicional indica, as reformulações do sedã mais caro da marca à venda no Brasil foram muito além dos faróis de LED. 

Agora, o Passat é construído sobre a plataforma modular MQB, a mesma de Golf, Audi A3 e TT. Do charmoso cupê de Ingolstadt também veio o ousado painel digital – oferecido somente como equipamento opcional e apenas na versão topo de linha, a Highline, de R$ 151.300.

Dianteira tem visual novo, mas faróis de LED só na versão topo

Nesse aspecto, aliás, o modelo deixa a desejar. Ainda que os principais itens (seis airbags, controle de estabilidade e ar-condicionado digital) sejam de série, o Passat Comfortline com seus faróis halógenos oferece menos do que o preço de R$ 144.500 pode indicar.

Em compensação, o motor 2.0 turbo com dupla injeção e 220 cv garante o prazer a quem gosta de dirigir, junto do câmbio robotizado de dupla embreagem de seis marchas. O trem de força é igual ao do Golf GTI e inclui vetorização de torque, que proporciona ao Passat um comportamento mais esportivo. Pense em um Jetta TSI, só que mais refinado.

O requinte típico do modelo se manteve nesta geração, com uma boa escolha de materiais na cabine, como painel emborrachado com apliques prateados e saídas de ar incorporadas nos frisos do console. Só o acabamento em preto brilhante pode incomodar clientes mais conservadores.

Traseira repete as linhas da geração anterior

Sem ousadias, o Passat tem o essencial para brigar com BMW 320i e Mercedes C 200: desempenho, luxo e conforto. A VW poderia compensar a falta de status em relação aos rivais com itens como alerta de mudança de faixa, controlador de velocidade adaptativo e sistema de estacionamento automático, mas eles são opcionais.

Para ter um carro que faz quase tudo sozinho, é preciso desembolsar mais R$ 4.900 pelo pacote Premium. O teto-solar elétrico, único item oferecido nas duas versões, soma R$ 5.400. Tudo isso custa quase o mesmo do que o 320i M Sport, que, apesar de ser mais apertado para quem vai atrás, tem tração traseira e motor flex. 

Painel digital é novidade, mas disponível apenas como opcional

Se tivesse preço mais atraente, o Passat poderia roubar muitas vendas dos concorrentes. A nova plataforma melhorou ainda mais a dirigibilidade do sedã, e o entre-eixos maior transformou o banco traseiro em uma sala de estar. Os vincos fortes e a dianteira "apontada" para baixo deixaram o desenho dele um pouco mais ousado.

Ficha técnica Volkswagen Passat 2.0 TSI

O VW Passat, contudo, se manteve conservador e repete o comportamento do vento do qual herda o nome: você até pode tentar mudar um pouco a sua trajetória, mas o seu rumo permanecerá inalterado. 

Medições realizadas na pista de testes da TRW, em Limeira (SP)

Versões Relacionadas