SUV compacto de verdade

FERNANDO NACCARI
De São Paulo (SP)
08/01/2018 13:06

Feito para enfrentar grandes desafios, Jimny surpreende também na cidade

Dirigir um carro que lhe proporcione uma experiência única e prazerosa de direção é algo cada vez mais difícil. De um modo geral, os carros são muito similares por um motivo óbvio: seguem fórmulas parecidas para atender a um mesmo tipo de público.

A chamada “identidade visual” das marcas torna os carros de uma mesma fabricante cada vez mais gêmeos entre si, diferenciando-se principalmente pelo seu porte e pela sua lista de equipamentos exclusiva.

Mas, quando estendemos este comparativo à carros concorrentes (de marcas diferentes) dentro de uma mesma categoria, esse problema também existe, ou você já não observou que veículo X tem a frente ou a traseira (muito) quase idêntica à do veículo Y? Além do visual, esta semelhança pode se estender para outros pontos, como características de dirigibilidade e lista de acessórios correlata. E tudo isso acontece por um motivo simples: as marcas estudam seus concorrentes e buscam nos demais alguns pontos de melhorias que consideram relevantes para tornar o seu produto melhor e, por consequência, destacado frente aos rivais.

Diante da mesmice do mercado, quando testamos um novo carro, apuramos os nossos sentidos e partimos para buscar aquele “pulo do gato” ou “algo especial” que deixa determinado modelo em destaque frente aos opositores, mesmo quando este detalhe não venha a ser necessariamente uma qualidade. Assim, criamos algo como um “checklist” particular onde cada veículo preenche as lacunas que cumpre e, com estes comparativos montados, conseguimos determinar quem é melhor no que dentro de cada segmento.

Quebra de paradigmas

O grande problema é que nem sempre este método funciona. O Suzuki Jimny, por exemplo, nos tirou da zona de conforto. O jipinho é tão autêntico que não se enquadra em avaliações simples e isso é realmente uma coisa que os nipônicos souberam usar ao seu favor.

Derrubou regras até quando partimos para o caminho mais difícil de errar: a ficha técnica. Mas os 85 cv e 11,4 kgfm, para o Jimny, não querem dizer nada, pois quando pisamos fundo na embreagem, engatamos primeira marcha e saímos, sua fórmula de avaliação infalível cai por terra e te mostra que você deve repensar tudo o que aprendera até ali e de dobrar a atenção em cada detalhe. É desconcertante. É o típico carro que é difícil não gostar dele, pois te encanta com sua simplicidade e eficiência.

O câmbio manual de cinco marchas tem escalonamento curto, o que privilegia o torque em baixa rotação e deixa o pequenino bastante ágil no trânsito urbano. Subidas mais ousadas parecem asfalto plano para o Jimny. O tamanho reduzido também facilita sua convivência urbana com o carro, pois tem comprimento idêntico ao de um compacto de entrada: 3.645 mm, como o do VW up!.

Com o motor 1.3 de 16V, o Jimny mostrou também ser econômico, algo que normalmente não é esperado de um veículo com vocação para a lama, com marcas de 10,6 km/l (G) em trajeto urbano e 12,7 km/l (G), no rodoviário. Por falar em offroad, o sistema de tração traz reduzida, roda livre pneumática e engates eletrônicos controlados por botões localizados no painel. Quando a posição 2WD é selecionada, a tração vem das rodas traseiras. Você também pode escolher o 4x4 para uso em pisos de baixa aderência, mas só pode ativá-lo com velocidades de até 100 km/h. Já, se optar pela reduzida, isso só pode ser feito com o veículo parado.

Em velocidades superiores a 100 km/h, os 1.090 kg do carrinho o deixam bastante sensível a ventos laterais, mas o conjunto de suspensão de eixo rígido dianteiro e traseiro mostram competência também quando uma melhor estabilidade é exigida. Apesar de sua calibração rígida, é difícil se sentir incomodado a bordo dele. Quem sofre, na verdade, são os dois passageiros dos bancos traseiros, pois a região tem difícil acesso e pouco espaço para convivência. Quem sofre com o espaço também é o porta-malas, que carrega módicos 113 litros.

Medida certa

O Jimny 4Sport traz de série itens como snorkel, direção assistida hidráulica, vidros e retrovisores com acionamento elétrico, ar-condicionado, freios ABS e airbags para motorista e passageiro. Na linha 2018, o Jimny ganha sistema multimídia com tela de 7 polegadas que permite o espelhamento de celulares com sistemas Android e IOS, além de possibilitar a instalação de acessórios, como câ- mera de ré e TV digital. No entanto, não conta com banco e volante com regulagem de altura, mas traz bancos traseiros com Isofi x, revestimento em couro dos bancos e forração das portas, rodas de liga leve de 15” e pneus todo-terreno Pirelli Scorpion ATR 205/70R15. Então, sabe aquele checklist próprio de avaliação de carros que você também costuma usar? Esqueça! Dê uma volta de Jimny por aí, comece a reescrevê-lo e curta a vida a bordo deste que é um exemplar raro de uma espécie em extinção.