New Fiesta Titanium 2018: belo, mas não é new

FERNANDO LALLI
de São Paulo (SP)
19/02/2018 11:28

Ford New Fiesta recebe atualizações de meia-vida enquanto a concorrência se renova por completo

Ficou bonito, é verdade. A remodelação melhora o já feliz desenho externo do Ford New Fiesta. Porém, é tudo que o Brasil vai ter: a nova geração europeia dele não vem para cá. E olha que isso é mais do que nos Estados Unidos, onde o hatch tende a ser descontinuado.

Juntamente com a reestilização, o New Fiesta também ganhou novos bancos e a ótima central multimídia Sync 3, de fácil conexão com celulares. A única modificação mecânica está nos amortecedores, que tiveram alteração na carga de trabalho para melhorar a estabilidade grudando as rodas no chão. Na prática, o hatch transmite bastante as imperfeições do solo ao habitáculo, mas as correções de trajetória e curvas são bastante precisas.

SEGUE O JOGO: A traseira ficou sem modificações significativas

PowerShift, é você?!
Parecia até óbvio que o New Fiesta ganharia o mesmo trem de força do Novo EcoSport, com motor 1.5 três-cilindros e o novo câmbio automático com conversor de torque de seis marchas. Não foi o caso. O hatch continua sendo oferecido com os mesmos motores 1.6 flex 4-cilindros de 125 cv (com gasolina) e o tricilindro 1.0 EcoBoost turbo (só a gasolina) de mesma potência.

Surpresa maior: resiste o câmbio de dupla embreagem e seis marchas – outrora chamado de PowerShift e agora denominado “transmissão sequencial”, novo nome usado pela fabricante fazendo uso do recurso do eufemismo. Depois de muitas reclamações de clientes, que culminaram na extensão de garantia de unidades defeituosas reparadas, a Ford aposta na redenção desse câmbio automatizado. Para isso há nova calibração, novos módulo e material de atrito das embreagens, e novos retentores. A fabricante afirma que as reclamações já se reduziram em mais de 90%.

Com esse conjunto, o Fiesta Titanium 1.6 fez de 0 a 100 km/h em 10s6. Seu consumo de etanol foi de 7,4 km/l na cidade e 11,3 km/l em rodovia, média PECO de 9,1 km/l. Satisfatório, mas considerando que a versão testada custa R$ 75.190, o hatch se torna alvo fácil para a concorrência.

OLHA ELE! Sim, o câmbio de dupla embreagem é o mesmo, mas a Ford garante que os problemas foram solucionados

Sob ataque
O New Fiesta sofreu dois duros golpes, chamados VW Polo e Fiat Argo. Para citar um exemplo, ao se considerar o preço do Fiesta Titanium 1.6 completo, o Polo com todos os opcionais e o motor 200 TSI custa R$ 1.050 a mais. A única vantagem do hatch da Ford está nos airbags de cortina e joelho, que o VW não tem. Sem falar que os dois estreantes subiram o sarrafo quanto ao nível de conforto em rodagem na categoria, algo que o New Fiesta não acompanhou.

Câmera de ré é exclusiva da versão Titanium

Por isso, caso você não se importe com ar-condicionado convencional, calotas, apenas dois airbags e bancos de tecido, prefira a versão SE 1.6 AT (parte de R$ 62.390), que traz o Sync 3, controle de estabilidade e tração e assistente de partida em rampas. Nas versões mais caras, a idade do New Fiesta começou a pesar.