Honda lança o melhor e mais caro Civic; já guiamos

RODRIGO RIBEIRO e CLAUDIO DE SOUZA FLORENCIO
Da Motorpress, em São Paulo (SP)
23/08/2016 17:00
HONDA CIVIC TOURING 1.5 TURBO
HONDA CIVIC TOURING 1.5 TURBO
HONDA CIVIC TOURING 1.5 TURBO
HONDA CIVIC TOURING 1.5 TURBO
HONDA CIVIC TOURING 1.5 TURBO
HONDA CIVIC TOURING 1.5 TURBO
HONDA CIVIC TOURING 1.5 TURBO
HONDA CIVIC TOURING 1.5 TURBO
HONDA CIVIC TOURING 1.5 TURBO
HONDA CIVIC TOURING 1.5 TURBO
HONDA CIVIC TOURING 1.5 TURBO
HONDA CIVIC TOURING 1.5 TURBO
HONDA CIVIC TOURING 1.5 TURBO
HONDA CIVIC TOURING 1.5 TURBO
HONDA CIVIC TOURING 1.5 TURBO
HONDA CIVIC TOURING 1.5 TURBO
HONDA CIVIC TOURING 1.5 TURBO
HONDA CIVIC TOURING 1.5 TURBO
HONDA CIVIC TOURING 1.5 TURBO
HONDA CIVIC TOURING 1.5 TURBO
HONDA CIVIC TOURING 1.5 TURBO
HONDA CIVIC TOURING 1.5 TURBO
HONDA CIVIC TOURING 1.5 TURBO
HONDA CIVIC TOURING 1.5 TURBO
HONDA CIVIC TOURING 1.5 TURBO

Já faz alguns anos que o Honda Civic deixou de ter um custo-benefício atraente. Ainda que se destaque por outros atributos, o sedã é conhecido por custar mais do que os concorrentes, tendo os mesmos equipamentos.

Só que a décima geração vai além na versão de topo Touring. Partindo de R$ 124.900, ela deixa Toyota Corolla Altis (R$ 105.500) e Chevrolet Cruze LTZ (R$ 107.450) para trás -- e se aproxima de Audi A3 Sedan e Ford Fusion.

Civic Touiring, o caro e completo topo da gama
A apresentação do modelo para a imprensa aconteceu nesta terça-feira (23), e as vendas começam na quinta (25), segundo informações da montadora. Já houve pré-venda para os clientes que toparam comprar o Civic 10 sem vê-lo: cerca de 2.000 emplacamentos. Veja os preços da gama completa:

Civic Sport 2.0 manual - R$ 87.900 
Civic Sport 2.0 CVT - R$ 94.900 
Civic EX 2.0 CVT - R$ 98.400
Civic EXL 2.0 CVT - R$ 105.900
Civic Touring 1.5 turbo CVT - R$ 124.900
 

A versão Sport, inédita, tem um visual mais invocado e é a única com opção de transmissão manual de seis marchas. Todas as demais usam o câmbio automático CVT. O motor é sempre o 2.0 i-VTEC, bicombustível, de 155 cv (etanol), a não ser na Touring, que usa motor turbo apenas a gasolina. Segundo a montadora, a versão mais vendida deverá ser a dobradinha EX/EXL, com 48% dos emplacamentos; Sport terá 24%; e Touring, 28%. A meta é vender cerca de 3.000 carros por mês.

Civic EXL 2017: versão de mais de R$ 100 mil é aposta para best-seller
POR QUE TÃO CARO?
O argumento da Honda para o preço elevado é o grande número de itens de série e o novo pacote mecânico, com plataforma, visual, motor e câmbio inéditos no sedã médio. Mas isso é só parte da história: o alto custo de partes e peças importadas, que são cotadas num dólar muito mais alto que o planejado pelas montadoras, é o principal problema para definir o preço final. 

No caso da versão Touring, que a Motorpress levou à pista de testes para obter números exclusivos, boa parte dos equipamentos é conhecida da concorrência: chave presencial com partida remota, teto solar, central multimídia com espelhamento de celular, retrovisores rebatíveis eletricamente e (finalmente) a volta do sensor de estacionamento -- uma demanda dos clientes, de acordo com a própria Honda.

Traseira do novo Civic, acupezada, dá toque esportivo ao sedã
Já freio de estacionamento elétrico com auto-hold, quadro de instrumentos digital, faróis de LED e câmera monitora de ponto cego no retrovisor direito são exclusivos do Civic no segmento. Mas aqui vale uma crítica: o sistema, herdado do Accord, só funciona do lado direito e não alerta efetivamente o motorista sobre a presença de veículos no ponto cego. Ele exibe a imagem rente à lateral do carro, funcionando como um melhoramento do retrovisor.

Aí entra o lado emocional do Civic. Além da "grife" Honda na grade, o sedã volta a adotar um visual mais ousado: cada vez mais cupê de quatro portas, ele usa lanternas traseiras que contornam as linhas da carroceria, apresenta vincos bem marcados nas laterais e caixas de roda dianteiras musculosas. A lâmina cromada na dianteira foi emprestada dos modelos Acura, a submarca de luxo da Honda nos Estados Unidos. E ficou mais bonita no Civic.



A versão Touring passa a ter um dos motores mais potentes do segmento, com 173 cv. Além disso, é "torcudo": 22,4 kgfm entre 1.700 rpm e 5.500 rpm. O fato desse 1.5 turbo com injeção direta usar apenas gasolina não deve atrapalhar as vendas. Já o câmbio automático CVT, que simula sete marchas em situação de aceleração mais intensa ou por meio de trocas nas borboletas junto do volante, mantém a sensação de "deslizamento" em retomadas. No teste de pista feito pela Motorpress isso não prejudicou o modelo, que obteve ótimos números -- mas pode atrapalhar a proposta mais esportiva da versão.

De acordo com o Conpet, programa de eficiência energética do Inmetro, o Civic Touring faz 12 km/l na cidade e 14,6 km/l na estrada. Recebeu nota A. (O motor 2.0, quando acoplado ao câmbio CVT, rende 7,2/10,6 km/l de etanol e 8,9/12,9 km/l de gasolina, em cidade/estrada -- também nota A na categoria.)



Como ninguém roda pisando fundo no acelerador o tempo todo, o Civic oferece, em troca, um comportamento sempre esperto, com ambiente silencioso (o isolamento acústico é caprichado: até o parabrisa tem um revestimento antirruído) e acabamento compatível com seu preço. E a família vai aproveitar a novidade por tabela, com ótimo espaço no banco traseiro e conforto para quatro adultos – o quinto vai sofrer com a volta do túnel central elevado.

Teste completo na edição #275 da CARRO
A Honda afirmou ter amaciado a suspensão e recalibrado a direção dessa geração. De fato, o volante segue responsivo, mas traz maior segurança em alta velocidade, graças à cremalheira de passo variável (como no Volskwagen Golf). A suspensão independente nas quatro rodas segue bem firme e incomoda pouco em buracos e valetas. O novo sedã médio do momento é o melhor Civic de todos -- e também um dos mais caros.

Notas atribuídas pela equipe Motorpress