Honda Civic manual é sinônimo de prazer ao volante

HECTOR VIEIRA
Da Motorpress, em Guararema (SP)
13/10/2016 13:58
HONDA CIVIC SPORT MANUAL
HONDA CIVIC SPORT MANUAL
HONDA CIVIC SPORT MANUAL
HONDA CIVIC SPORT MANUAL
HONDA CIVIC SPORT MANUAL
HONDA CIVIC SPORT MANUAL
HONDA CIVIC SPORT MANUAL
HONDA CIVIC SPORT MANUAL
HONDA CIVIC SPORT MANUAL
HONDA CIVIC SPORT MANUAL
HONDA CIVIC SPORT MANUAL
HONDA CIVIC SPORT MANUAL
HONDA CIVIC SPORT MANUAL
HONDA CIVIC SPORT MANUAL
HONDA CIVIC SPORT MANUAL
HONDA CIVIC SPORT MANUAL
HONDA CIVIC SPORT MANUAL

A décima geração do Honda Civic está à venda desde agosto no Brasil, mas somente nesta semana tivemos a oportunidade de conhecer como andam as versões de entrada do sedã, batizadas de Sport. Partindo de R$ 87.900 na opção com câmbio manual e de R$ 94.900 com transmissão CVT, a Honda estima que o Civic Sport corresponda a apenas 24% do volume total de vendas do sedã.

Com exceção da versão topo de linha Touring (que nós já guiamos), equipada com o exclusivo motor 1.5 turbo de 173 cv, todas as outras configurações do Civic são impulsionadas pelo motor 2.0 aspirado, herdado da geração anterior, mas com potência elevada para 155 cv e torque de 19,5 kgfm. Durante o test-drive oferecido pela marca (que compreendeu um trajeto de 200 km entre cidade e estrada), o veredito sobre seu desempenho é claro: o carro não vai te decepcionar.

Honda Civic Sport manual parte de R$ 87.900 (CVT: R$ 94.900)

Embora ainda não tenhamos os números de pista da versão Sport 2.0, é seguro afirmar que o motor entrega um desempenho bastante satisfatório ao consumidor, com fôlego o suficiente para rodar a 120 km/h sem esforço algum. Mas é preciso destacar que grande parte do trunfo deste propulsor reside nas suas transmissões. 

A começar pela automática continuamente variável, a caixa atribui um comportamento bastante esperto ao sedã, reproduzindo inteligência notável para este tipo de transmissão. As ações do motorista sobre o pedal do acelerador são fáceis e rapidamente compreendidas pelo câmbio, que evita se "esgoelar" a altas rotações sem que haja real necessidade para tanto. 

Em rodovias, por exemplo, isso significa que o motor reage brevemente ao kick down no acelerador para realizar uma ultrapassagem, mantendo o giro próximo das 5.000 rpm (o que fatalmente prejudica o isolamento acústico do carro, apesar de a Honda ter realizado um trabalho específico para diminuir o ruído proveniente do motor nesta situação), mas ao menor alívio no pé direito, o propulsor retorna à faixa estável de trabalho, restaurando o conforto de um rodar mais suavizado (abaixo das 3.000 rpm a 120 km/h). 

Versões Sport se diferenciam pela grade frontal preta...

Caso o motorista queria ter mais controle sobre o carro, a versão Sport já dispõe de aletas atrás do volante para trocas simuladas de marcha (sete, ao total). O recurso de fato permite uma atuação mais personalizada do Civic, sem que a central eletrônica do carro intervenha excessivamente na condução (reduzindo ou subindo marchas à revelia da vontade do motorista).

O escalonamento das marchas simuladas também é interessante. A 120 km/h em "quinta", o Civic mantém o giro próximo das 3.500 rpm, já em "sétima" o giro cai para menos de 2.000 rpm. E o bônus ao utilizá-las é o prazer ao guiar o carro, uma vez que a despeito da sua eficiência, a transmissão CVT pouco empolga quem de fato gosta de dirigir.

PRAZER MESMO, SÓ NO MANUAL
As transmissões manuais estão entrando em extinção em alguns segmentos. O dos sedãs médios é um deles, já que existem modelos que nem oferecem mais este tipo de caixa em suas gamas (vide Nissan Sentra e Chevrolet Cruze). A Honda, por enquanto, ignorou a tendência -- e nós agradecemos. Quando equipado com o câmbio manual de seis marchas, o Civic se transforma em um carro verdadeiramente apreciado por entusiastas.

...e pelas rodas escurecidas de 17

O prazer proporcionado pelo câmbio manual é sentido tão logo se parte com o carro. O pedal da embreagem é macio na medida certa entre conforto e precisão e a manopla está posicionada de maneira elevada (graças à disposição do console central devido a economia de espaço pelo freio de estacionamento eletrônico), o que facilita encontrar a posição ideal para dirigir. Além disso, os engates da manopla são curtos, macios e precisos. 

De acordo com a ficha técnica do Civic, a relação das marchas não é tão curta e isso é perceptível ao dirigir, mas isso não significa que falte disposição para saídas de semáforos, arrancadas ou retomadas para ultrapassagens. Ainda que, no papel, os 40% de potência disponíveis às 3.000 rpm pareçam pouco, o motor 2.0 entrega uma elasticidade interessante, que permite manter o vigor do carro em qualquer faixa de rotação, contudo é acima das 4.700 rpm (pico de torque) que ele realmente empolga até atingir a potência máxima a distantes 6.300 rpm.

A 120 km/h, pelo benefício da sexta marcha, que funciona como um overdrive, o modelo consegue se manter pouco abaixo das 3.000 rpm, o que aumenta o conforto ao dirigir.

Para os 3% de clientes que adquirirem um Civic manual (segundo a previsão da Honda) a diversão mesmo com o "brinquedo" será rodar por estradas sinuosas. Reduzir marchas e entrar mais apontado em curvas, abusando um pouco do carro -- mas sempre atento à segurança na via, dentro dos limites de velocidade -- é algo que, com o câmbio manual, fica ainda mais prazeroso. O motorista pode entrar mais rápido nas curvas e, ainda assim, realizá-la com precisão, devido à vetorização de torque disponível no carro, que contribui para melhorar seu contorno.

Acabamento interno não possui couro nos bancos, nem portas

SEM OPCIONAIS, MAS BEM EQUIPADO
Apesar de a Honda insistir que a gama do Civic não segue o padrão verticalizado de versões, mas sim busca atender perfis diferentes de consumidor, o Civic Sport é, na prática, a versão de entrada do Civic. Apesar de o nome sugerir algo mais de nicho, as únicas diferenças desta versão para o restante são as rodas escurecidas e a grade frontal do logo na cor preta (em vez de cromada, como no restante da gama). O acabamento interno, por exemplo, com exceção dos bancos (que são de tecido nas versões Sport), segue o mesmo padrão das outras versões aspiradas. 

De série, o modelo já vem bem equipado. Conta com seis airbags, controle de estabilidade, vetorização de torque, ar-condicionado digital e automático, direção elétrica, trio elétrico, adaptação isofix nos bancos traseiros, assistente de partida em aclive, função brake hold (que aciona os freios ao parar o veículo no trânsito, sem a necessidade de manter o pedal pressionado), luzes diurnas de LED, faróis de neblina, central multimídia com entrada USB e tela de 5'', câmera de ré. 

Para os consumidores que quiserem, de fato, tornar o Civic Sport mais condizente com seu sobrenome, a Honda disponibiliza apenas uma gama de acessórios (não há opcionais) para personalizar o sedã. Há um Kit Premium (que adiciona elementos cromados ao visual) e um Kit Sport (que acrescenta spoilers e saias) para o cliente encomendar diretamente na concessionária.

A Honda possui uma limitação de produção do Civic (devido ao volume dos outros carros que a marca fabrica no Brasil), por isso não almeja retirar do Toyota Corolla a liderança do segmento. O objetivo é manter um volume de três mil emplacamentos por mês, o que já tornaria a hegemonia do rival menos avassaladora, pelo menos.